Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Nacionalistas judeus suspeitos de incêndio numa escola hebraico-árabe

Nacionalistas judeus suspeitos de incêndio numa escola hebraico-árabe
Tamanho do texto Aa Aa

Tolerância zero contra a descriminação e racismo foi a promessa do governo israelita no dia seguinte ao incêndio numa escola bilingue hebraico-árabe de Jerusalém.

Nas paredes do edifício, símbolo de uma convivência possível entre israelitas e palestinianos, inscrições de ódio.

Hatem Matar, chefe da Associação de Pais Professores denuncia: “Quem quer que se oponha a este tipo de tecido social não só prejudica os árabes, mas os judeus. Contestam uma ideia e um ideal que já existe há 15 anos. Isso é muito triste, mas ao mesmo tempo confirma a capacidade desta comunidade. “

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu também condenou o ataque : “Estamos a fazer grandes esforços para restaurar a paz e tranquilidade em Jerusalém. É claro que não iremos tolerar ataques de qualquer lado e não vamos tolerar o incêndio de escolas como vimos na noite passada”.

A polícia abriu uma investigação e afirmou que suspeita de um “incêndio criminoso com motivações nacionalistas”.

A escola, situada no bairro de Pat, zona oeste de Jerusalém tem mais de 500 alunos israelitas e palestinianos e foi criada em 1998 pela associação “Hand in Hand” para promover o ensino bilingue e a coexistência entre judeus e muçulmanos.