Última hora

Última hora

Autodenominado Estado Islâmico captura piloto jordano na Síria

Em leitura:

Autodenominado Estado Islâmico captura piloto jordano na Síria

Autodenominado Estado Islâmico captura piloto jordano na Síria
Tamanho do texto Aa Aa

Washington desmente as alegações do autodenominado “Estado Islâmico”, que esta quarta-feira reivindicou o abate de um avião da Força Aérea da Jordânia.

O Pentágono fala em evidências contrárias à versão do grupo jihadista, que capturou um tenente da Força Aérea jordana no norte da Síria.

Uma fotografia, de autenticidade não confirmada, em que aparece o piloto jordano rodeado por 11 combatentes, foi publicada. Outra imagem mostra o piloto molhado, despido da cintura para baixo, a ser retirado de um lago e levado por três homens armados.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, pediu a libertação do piloto capturado, pela voz de Stéphane Dujarric: “O secretário-geral das Nações Unidas apela aos captores para cuidarem do piloto de acordo com a lei humanitária internacional. Está evidentemente a acompanhar de perto a situação, a par do conflito armado contínuo na Síria, e está preocupado com o uso continuado da violência no país, incluindo o uso de bombas-barril em áreas densamente povoadas.”

O aparelho, um F-16, caiu esta quarta-feira nos arredores da cidade de Raqqah, um bastião do grupo extremista situado no nordeste da Síria.

A confirmar-se a teoria do abate pelos rebeldes, estes poderão ter usado um míssil terra-ar com deteção da fonte de calor do alvo por infra-vermelhos.

Também na Síria, mas em Homs e Apelo, prosseguem os bombardeamentos da aviação fiel ao presidente Bashar al-Assad sobre bairros residenciais em áreas controladas pelos rebeldes.

Multiplicam-se as denúncias do uso armamento não convencional por parte do regime do chefe de Estado sírio. Exemplo disso é o uso de bombas-barril, uma arma letal, mas barata no fabrico, que estará a ser lançada indiscriminadamente a partir de helicópteros sobre habitações.