Última hora
This content is not available in your region

Hollande decreta luto nacional em França pelas vítimas do atentado

Hollande decreta luto nacional em França pelas vítimas do atentado
Tamanho do texto Aa Aa

François Hollande decretou quinta-feira como “dia de luto nacional” e todas as “bandeiras vão ser colocadas a meia haste durante três dias” em memória das vítimas do trágico atentado desta quarta-feira contra a redação da revista satírica Charlie Hebdo, do qual resultou a morte de 12 pessoas. Numa declaração de viva voz proferida em direto, pela televisão, às 20 horas de Paris (menos uma hora em Lisboa), o Presidente de França pediu “a todos para se associarem” neste pesar.

Hollande expressou o objetivo de punir severamente os autores do atentado e pediu a união de todos. “A França é grande e é capaz, numa prova como esta, de mostrar o seu melhor. A união vai sempre vencer sobre a barbárie”, defendeu, avisando: “Ninguém nos vai conseguir dividir, nada se vai opor a nós, nada nos pode separar.”

“Hoje foi a República que foi atingida. A nossa República representa a liberdade de expressão, representa a democracia. São também esses valores que defendemos através dos nossos soldados na luta contra o terrorismo e contra o fundamentalismo. Devemos responder à altura a este crime. Em primeiro lugar, procurando os autores desta infâmia e, depois, julgando-os e punindo-os severamente”, disse o chefe de Estado gaulês

O Presidente de França salientou que “a investigação está em curso” e revelou que “o governo decretou o nível mais elevado de alerta contra terrorismo”. “Vamos proteger todos os locais onde possa surgir a mais pequena ameaça”, garantiu.

Logo na abertura da declaração, François Holande deixou uma revelação: uma mulher está entre as 12 vítimas deste atentado. “Esses homens e essa mulher que morreram defendiam a ideia que tinham de França, isto é, uma ideia de liberdade. Eles são, no dia de hoje, os nossos heróis”, afirmou o governante, descrevendo os cartonistas assassinados como “cronistas corajosos” e “desenhadores de grande talento” que lutavam “contra o obscurantismo e pela liberdade de expressão”.

“A liberdade que eles defendiam, aquela mensagem de liberdade, nós vamos continuara a defendê-la em nome deles”, prometeu o Presidente de França, reforçando o principal apelo desta noite antes de se despedir: “Unamo-nos. Viva a Republica! Viva a França!”