Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

A herança do rei Abdullah

A herança do rei Abdullah
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Para onde vai a Arábia Saudita?

Como continuar o reinado de Abdullah desenvolvendo a economia sem desrespeitar as tradições? Estes são alguns dos grandes desafios do novo soberano cujas limitações são conhecidas. O novo rei promete manter mesma linha dos seus predecessores. Um dos seus primeiros decretos serviu para nomear o sobrinho Mohammed bin Nayef como o primeiro na linha sucessória ao trono saudita.

A escolha de Salman, de idade bastante avançada – 79 anos – e com problemas de saúde indisfarçáveis, expõe a monarquia saudita à ameaça de esclerose. Riad enfrenta atualmente uma série de desafios diplomáticos e políticos. O mais quente vem do Iêmen, onde a rebelião Outhi xiita se prepara para tomar o poder.

Os Outhis, apoiados pelo Irão tradicional inimigo dos sauditas, poderão trazer muitas complicações à conservadora estabilidade do reino vizinho.

Número dois do reino, o príncipe Salman multiplicou as visitas ao Ocidente e à Ásia, o que imprimiu uma dimensão internacional à sua carreira.

Apesar de uma saúde frágil, quis mostrar sua determinação para ser rei, mas o seu papel ficou um pouco fragilizado com a decisão anunciada pelo rei Abdullah em março de 2014 de designar Muqrin, o mais idoso dos filhos do fundador do reino, como futuro príncipe-herdeiro.

O novo rei vai ter de implementar reformas sociais e económicas começadas no reinado de Abdullah, um reformador “prudente”.

Salman é considerado um homem sábio, sobre a questão das reformas culturais e sociais mas, ao mesmo tempo, muito conservador. Um homem que defende abertamente que a democracia não é adequada para a Arábia Saudita.

Biografia do novo rei da Arábia Saudita

Nascido em Riad, a 31 de dezembro de 1935, o príncipe Salman foi governador da capital durante quase 50 anos. A maioria das províncias sauditas são chefiadas por membros da família real com o posto de ministro. Graças a este cargo é considerado o arquiteto do desenvolvimento desta cidade, construída no deserto pela dinastia Al Saud e hoje uma capital moderna.

O novo rei Salman, vigésimo quinto filho do rei Abdul Aziz, fundador do reino, faz parte do clã Soudairi. Casado três vezes, ele tem dez filhos ainda vivos, o mais conhecido é o astronauta Sultan Bin Salman.

Sauditas e americanos amigos de longa data

O falecido rei Abdullah teceu, ao longo do seu reinado relações fortes com o Ocidente. Aliado dos EUA, o monarca colaborou com Washington na luta contra o terrorismo, especialmente contra a Al Qaeda. Por pressão do Ocidente implementou reformas significativas na Arábia Saudita, incluindo algumas oportunidades para as mulheres. Apesar disso, em vários momentos a aliança com os EUA estremeceu, nomeadamente com as sucessivas crises israelo-palestinianas. No entanto, liderar um Estado que é umas das primeiras reservas mundiais de petróleo sempre lhe conferiu bastante poder de infuência.

Nos últimos anos, o rei forçou a administração de Barack Obama no apoio que lhe fornerceu contra o Irão, nação vista como inimiga pelos sauditas devido à disputa pela influência no mundo islâmico.