EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Sanções ou armas: o dilema da Europa na dialéctica com Putin

Sanções ou armas: o dilema da Europa na dialéctica com Putin
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A euronews entrevistou Wolfgang Ischinger, presidente da Conferência de Munique sobre Segurança e antigo enviado da OSCE para a Ucrânia.

PUBLICIDADE

O conflito na Ucrânia é actualmente a maior ameaça à segurança da Europa. A tensão com a Rússia atinge níveis dos tempos da Guerra Fria e dos receios de um “inverno nuclear”.

A euronews entrevistou Wolfgang Ischinger, presidente da Conferência de Munique sobre Segurança e antigo enviado da OSCE para a Ucrânia.

Que podemos fazer se a diplomacia falhar?

“Se os esforços diplomáticos fracassarem e sentirmos a necessidade de elevar o nível de pressão, acho que todas as hipóteses têm de ser consideradas com muita ponderação e não penso que seja possível descartar qualquer opção, sem primeiro a olhar cuidadosamente.

Obviamente, os riscos são enormes: se for iniciada uma entrega de armas, há o risco de uma escalada. Por outro lado, se nada for feito, existe o risco de se continuar a dividir o país em dois, abandonando os princípios sobre os quais foi construída a segurança europeia”.

Há algum exemplo de um caso em que sanções económicas tenham alterado a política externa de uma superpotência como a Rússia?

“Na realidade, as sanções são um péssimo instrumento da diplomacia, não tenho dúvidas sobre isso. Não funcionam muito bem e, se funcionarem, têm sempre o efeito colateral de criar ou reforçar o movimento de apoio ao líder que é alvo delas, de defender o país, porque o país está a ser atacado do exterior. Portanto, não é uma grande ideia. Mas qual é a alternativa? As sanções não são um bom instrumento mas podem ser a única opção válida. É uma situação clássica da diplomacia, em que temos poucas opções e nenhuma delas é boa. Então, temos de escolher a menos má”.

Putin está a tentar dividir o Ocidente?

“Seria muito estranho se (Putin) não tentasse beneficiar das divergências entre os aliados ocidentais. É claro (que tentará aproveitar divisões). Impusemos sanções, o que do ponto de vista russo não um simples acto hostil, é um acto extremamente hostil. Se fosse conselheiro dos russos, aconselhava-os a fazerem o seu melhor para dividir estas pessoas (no Ocidente) para que não consigam alargar e prolongar as sanções por mais tempo, o que obviamente é do interesse russo, tem de ser”.

Ministro russo diz que rebeldes ucranianos apenas confiscaram armas locais

O ministro-adjunto da Defesa russo, Anatoly Antonov, deverá ser integrado na lista de pessoas sancionadas pela União Europeia (UE) por causa da crise na Ucrânia.

Em entrevista a James Franey, enviado da euronews a Munique (Alemanha), o governante negou que a Rússia entregue armas aos rebeldes na Ucrânia.

James Franey/euronews (JF/euronews): “Muitos dos participantes nesta Conferência de Segurança de Munique, dizem – pelo menos nos bastidores – que a Rússia não tem mostrado muita vontade de dialogar ou de implementar o acordo de Minsk”.

Anatoly Antonov/ministro-adjunto da Defesa da Rússia (AA/ministro-adjunto): “Não se esqueça de que a Rússia não é protagonista neste conflito. Não é uma parte interessada, nem tem qualquer participação”.

JF/euronews: “Algumas pessoas duvidam disso”.

PUBLICIDADE

AA/ministro-adjunto: “Há muitos rumores sobre a situação na região”.

JF/euronews: “Quando diz que não fazem parte deste conflito… se insiste que não têm qualquer envolvimento no que se passa, então porque é que a Rússia faz parte das negociações?”

AA/ministro-adjunto: “Todas as soluções têm de ser fruto do diálogo com o governo de Kiev e as forças de auto-defesa de Lugansk e Donetsk. Quanto à Rússia..”

JF/euronews: “É assim que classifica os separatistas?”

PUBLICIDADE

AA/ministro-adjunto: “Não, não os classificamos como separatistas. São pessoas que querem que seus direitos sejam respeitados. Eles não querem expressar-se numa única língua, mas também não aceitam que o governo de Kiev os proiba de usar, por exemplo, o russo … querem poder usar a língua materna”.

JF/euronews: “A Constituição ucraniana protege esse direito”.

AA/ministro-adjunto: “Havia algumas ideias para introduzir restrições.

JF/euronews: “Mas nunca foram implementadas”.

PUBLICIDADE

AA/ministro-adjunto: “Sim e claro que apoio essa decisão. Apenas queremos ajudar as partes a chegar a um acordo”.

JF/euronews: “Disse claramente que a Rússia não dá qualquer tipo de apoio militar aos rebeldes. Então, como é que eles têm acesso às armas?

AA/ministro-adjunto: “Haverá uma grande quantidade de depósitos de armas e munições no território de todas as repúblicas da ex-União Soviética, incluindo na Ucrânia. As forças de “auto-defesa” usam agora essas armas e munições. E também confiscaram muito desse material aos membros do exército”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Maior hospital pediátrico de Kiev alvo de ataque russo

Ucrânia atinge com drones depósito de munições no interior da Rússia

Dez prisioneiros de guerra ucranianos regressam a casa após anos de cativeiro russo