EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ucrânia: Não há cessar-fogo em Debaltseve

Ucrânia: Não há cessar-fogo em Debaltseve
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Reuters, APTN
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Debaltseve é a "pedra no sapato" do cessar-fogo no leste da Ucrânia. Os combates continuam em redor desta cidade estratégica.

PUBLICIDADE

Na Ucrânia, o cessar-fogo acordado em Minsk continua a não ser respeitado, sobretudo na zona à volta da cidade estratégica de Debaltseve, perto de Donetsk. Os rebeldes garantem controlar agora quatro quintos da cidade.

Na cidade, tanto os rebeldes como o exército regular da Ucrânia mantêm a a artilharia pesada, deitando abaixo as esperanças de paz no leste da Ucrânia, depois do acordo promovido pela França e pela Alemanha.

Num comunicado, a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) diz ter estado em contacto com todas as partes e saúda os esforços de diálogo, mas lamenta que os combates em redor de Dabaltseve não tenham fim à vista. O acesso à cidade está vedado aos funcionários da OSCE.

.@OSCE_SMM observed ceasefire largely held in most areas with exception of Debaltseve & Horlivka. Latest report at http://t.co/7bMiTsawzO

— OSCE (@OSCE) February 17, 2015

A aldeia de Mironivsky, perto de Debaltseve, continua a ser bombardeada. Várias posições do exército ucraniano estão a ser atacadas. As tropas regulares, estacionadas na aldeia, estão também a disparar artilharia pesada contra as posições rebeldes na zona.

#Ukraine : Debaltseve sous les tirs. http://t.co/30LRvoMdIJ

— Amnesty France (@amnestyfrance) February 17, 2015

VP Biden spoke with President Poroshenko today about the violation of the ceasefire in eastern #Ukraine. pic.twitter.com/d8t5dBa5Bl

— Vice President Biden (@VP) February 18, 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ucrânia capitula em Debaltseve

Leste ucraniano: As datas de um conflito sangrento ( cronologia )

Guerra na Ucrânia: dez mil pessoas obrigadas a abandonar Kharkiv