Última hora
This content is not available in your region

Ucrânia vai reforçar Forças Armadas para ficar com 250.000 militares

Ucrânia vai reforçar Forças Armadas para ficar com 250.000 militares
Tamanho do texto Aa Aa

O Parlamento de Kiev aprovou, esta quinta-feira, um projecto-lei para aumentar em mais de 1/3 as Forças Armadas até atingirem 250.000 militares.

Temos de pensar naquilo que temos feito para travar o agressor, evitar um número excessivo de baixas e para que o território ucraniano volte a ser uno

A nova lei foi aprovada com 270 votos a favor da proposta avançada no mês passado pelo Presidente Petro Poroshenko. Eram necessários 226 votos favoráveis para a proposta passar.

Para o líder do bloco de Poroshenko, “em apenas dois meses, será muito provável uma renovação em larga escala das acções militares. E, a cada dia que entramos nesta câmara (o Parlamento), temos de pensar naquilo que temos feito para travar o agressor, evitar um número excessivo de baixas e para que o território ucraniano volte a ser uno”, afirmou Iuri Lutsenko.

Entretanto, no terreno, pelo menos mais um ucraniano foi morto e outro ferido em combates com os separatistas pró-russos no Leste da Ucrânia, onde o cessar-fogo assinado é pouco mais do que uma miragem.

Apesar dos factos já provados, a Rússia continuar a negar o envolvimento do Kremlin no conflito e resolveu contra-atacar.

O porta-voz da diplomacia de Moscovo afirma que “nos últimos dias, até 300 elementos da 173.ª Brigada Aerotransportada dos Estados Unidos, que tem a sua base em Itália, estão a ser enviados para o polígono de Iavorsky, na região de Lviv. Estes elementos vão formar soldados ucranianos no manuseamento de armamento que vem do outro lado do Oceano (leia-se: da América)”, acusou Alexander Lukashevich.

Do outro lado do Atlântico e da Aliança Atlântica (NATO) as mais recentes mensagens são que foram enviados 12.000 soldados russos para reforçar as trincheiras rebeldes e que militares russos estão a “morrer em grande número” nos combates no Leste da Ucrânia.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.