Israel: Vitória do Likud não tranquiliza palestinianos nem turcos

Israel: Vitória do Likud não tranquiliza palestinianos nem turcos
De  Euronews com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A vitória do partido de Benjamin Netanyahu provoca sérias dúvidas quanto ao futuro e a uma saída pacífica para a crise no Médio Oriente

PUBLICIDADE

A vitória do Likud nas eleições israelitas provoca, por parte dos palestinianos, sérias dúvidas quanto ao futuro e a uma saída pacífica para a crise no Médio Oriente.

Alguns afirmam mesmo que a paz entre Israel e a Palestina morreu quando Benjamin Netanyahu afirmou não aceitar a solução dos dois Estados e garantir que a colonização da Cisjordânia vai continuar.

“A posição palestiniana agora é muito clara: vamos recorrer às instituições internacionais, e em especial ao Tribunal penal Internacional, para tornar públicas as práticas de Benjamin Netanyahu.; vamos começar a intensificar a resistência popular contra a ocupação e vamos igualmente fortalecer a unidade nacional palestiniana”, garante Jamal Huwail, deputado palestiniano do Fatah, entrevistado pelo correspondente da euronews no Cairo, Mohammed Shaikhibrahim.

Na Turquia, o escrutínio israelita também foi acompanhado com muita atenção. E o resultado não tranquiliza, em nada, o antigo embaixador da Turquia em Israel. Isso mesmo confiou Oğuz Çelikkol ao correspondente da euronews em Istambul, Bora Bayraktar.

“Isto vai causar danos a Israel em termos internacionais, porque a solução dos dois Estados tem um apoio generalizado, incluindo da parte dos Estados Unidos. Por isso, se Israel abandonar a solução dos dois Estados, isso irá afetar negativamente a posição do país em termos internacionais e complicará ainda mais a retoma das relações entre a Turquia e Israel.”

De facto, as declarações de Netanyahu, em plena campanha eleitoral, contra a coabitação de dois Estados chocaram não só os palestinianos mas toda a comunidade internacional e fazem temer pelo futuro da região.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições israelitas não afetam relações com os EUA

Segundo maior hospital de Gaza não está operacional. Israel quer reféns libertados até ao Ramadão

Guerra Israel-Hamas: ataques intensificam-se no centro e sul de Gaza