Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

"Still life": uma comédia poética e crua sobre a morte

"Still life": uma comédia poética e crua sobre a morte
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Esta semana, a rubrica cinema box destaca o filme «Still life», do realizador italiano Uberto Pasolini.

“Still life” gira em torno de John May, um homem solitário que tem uma vida rotineira e um trabalho um pouco estranho: encontrar os familiares das pessoas que morrem sozinhas para que haja alguém no funeral. Um dia, May é despedido, mas, antes de ir embora, decide resolver um último caso.

O realizador italiano aborda o tema da morte de forma original. “Still life” não é um melodrama, nem uma tragédia. Uberto Pasolini adota um registo um pouco paradoxal e particular, que poderíamos apelidar de “comédia triste”. No fundo, trata-se de uma obra difícil de classificar.

O ator britânico Eddie Marsan incarna na perfeição o papel de um homem completamente desfasado da sociedade e incapaz de se adaptar a um mundo baseado na competição e na produtividade, um mundo onde a morte é um assunto a evitar.

O tema da morte é também uma forma de falar sobre a solidão nas sociedades contemporâneas. Uberto Pasolini fá-lo de uma forma por vezes crua, por vezes poética. Acima de tudo, vale a pena esperar para ver o desfecho mágico e emocionante desta produção italo-britânica.