Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023
Direitos de autor euronews
De  Frédéric Ponsard
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"Anatomia de uma Queda", da realizadora francesa Justine Triet, foi, sem dúvida, o grande vencedor.

PUBLICIDADE

Depois de Reiquiavique, foi a vez de Berlim acolher os Prémios do Cinema Europeu.

A Academia Europeia de Cinema criou estes prémios na capital alemã, em 1988, para destacar o cinema europeu e a sua diversidade.

Este ano, a competição foi muito renhida, mas foi o filme "Anatomia de uma Queda", da realizadora francesa Justine Triet, que ficou em primeiro lugar. Recebeu os prémios de Melhor Argumento, Melhor Realizador, Melhor Filme e Melhor Atriz, para Sandra Hüller.

O filme conta a história de uma escritora suspeita da morte do marido e cujo julgamento expõe a sua relação e a sua identidade como mulher.

"Penso que há uma liberdade na Europa que deve ser preservada, protegida, que é magnífica: a liberdade de expressão, a liberdade de dizer realmente o que se pensa, o que é bastante raro quando se viaja pelo mundo e se percebe que é muito preciosa", disse Triet.

Hüller também é protagonista de "A Zona de Interesse", uma longa metragem arrepiante sobre a vida familiar do comandante-chefe de Auschwitz, que mostra a humanidade em todo o seu horror, sem mostrar nada do campo. O filme não ganhou nenhum prémio, apesar da sua excelência. 

A premiada atriz alemã destacou o trabalho da Academia Europeia de Cinema. "Penso que toda a gente que trabalha nos bastidores - porque é um trabalho muito silencioso, mas um trabalho importante - fez um trabalho magnífico para nos juntar aqui, para nos encontrarmos e discutirmos temas interessantes", agradeceu Hüller. 

São, na verdade, temas interessantes e também importantes, sobre o estado do mundo e da Europa. Por exemplo, "Fronteira Verde", da cineasta polaca Agnieszka Holland, faz um retrato muito realista da situação dos migrantes encurralados entre a Bielorrússia e a Polónia. A longa metragem foi alvo de críticas por parte dos conservadores e da extrema-direita polaca.

Em "Eu Capitão", de Matteo Garrone, somos colocados na pele de dois jovens africanos que sacrificaram e deixaram tudo para trás para construir um futuro melhor para si próprios.

"O cinema também tenta contar uma história, dar uma experiência ao público e criar empatia com os espectadores e com as personagens. Dar-lhes a possibilidade de viverem subjetivamente a viagem", realçou Garrone.

Finalmente, também nomeado mas não vencedor, temos "Folhas Caídas", um filme de amor infinitamente poético dirigido por um dos maiores autores europeus, o realizador finlandês Aki Kaurismäki.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"La tête froide", o filme que traz um olhar diferente sobre a migração

Os melhores looks na passadeira vermelha dos Globos de Ouro

O maior festival de animação do mundo está de volta a Annecy