EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

EUA retiram formalmente Cuba da lista negra dos países patrocinadores do terrorismo

EUA retiram formalmente Cuba da lista negra dos países patrocinadores do terrorismo
Direitos de autor 
De  Euronews com REUTERS, LUSA, EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É mais um passo no actual restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países após anos de sanções e de isolamento da ilha liderada pelos Castro.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos retiraram formalmente Cuba da lista negra dos países que patrocinam o terrorismo. É mais um passo no actual processo de restabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países após anos de sanções e de isolamento da ilha liderada pelos Castro.

Vozes republicanas já criticaram a decisão da Casa Branca.

O anuncio da retirada formal de Cuba da lista negra foi feito por um porta-voz do Departamento de Estado, que recordou estar a decorrer, “separadamente, um processo de conversações com o governo cubano tendo em vista o restabelecimento de relações diplomáticas e a reabertura das embaixadas”.

A retirada formal de Cuba da lista de países que apoiam o terrorismo aconteceu esta sexta-feira, findo o prazo de 45 dias para o Congresso, dominado pelos republicanos, analisar a decisão tomada pelo presidente Obama.

Nas ruas de Havana, os cubanos expressaram a sua satisfação porque consideram que “Cuba foi sempre afectada pelo terrorismo, não um patrocinador, nunca pôs bombas em lado nenhum e por isso não merecia estar na lista”.

O embargo, que continua em vigor, e a base naval norte-americana na Baía de Guantánamo continuam a ser os principais entraves ao restabelecimento das relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

J.D. Vance aceitou nomeação do Partido Republicano para a vice-presidência de Trump

Biden infetado com covid-19 suspende ações de campanha

Juíza manda arquivar caso dos documentos secretos contra Trump