EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

NATO responde a duas vozes às alegadas ameaças implícitas da Rússia

NATO responde a duas vozes às alegadas ameaças implícitas da Rússia
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com Reuters, Interfaxe e EFE
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A NATO respondeu a duas vozes ao anúncio de Vladimir Putin de que a Rússia vai reforçar o respetivo arsenal nuclear ainda este ano com mais pelo

PUBLICIDADE

A NATO respondeu a duas vozes ao anúncio de Vladimir Putin de que a Rússia vai reforçar o respetivo arsenal nuclear ainda este ano com mais pelo menos 40 mísseis balísticos intercontinentais. Em Kubinka, o líder do Kremlin terá ainda acrescentado que “a Rússia será forçada a apontar as suas forças armadas aos territórios de onde surgem as ameaças” e depois voltou a Moscovo para ser anfitrião do Presidente da Finlândia, Sauli Niinistö.

Meeting with President of Finland Sauli Niinistö http://t.co/OWJ6CwQIAQpic.twitter.com/ysdDRgLtqt

— President of Russia (@KremlinRussia_E) 16 junho 2015

“Este brandir de espada da Rússia é injustificado, é desestabilizador e é perigoso”, afirmou o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), o norueguês Jens Stoltenberg, após uma reunião em Bruxelas com o Presidente da Comissão Europeia, o luxemburguês Jean-Claude Juncker.

#NATO SG jensstoltenberg</a> on pres Putin statement:&quot;nuclear sabre-rattling of <a href="https://twitter.com/hashtag/Russia?src=hash">#Russia</a> is unjustified, it&#39;s destabilizing &amp; it&#39;s dangerous.&quot;</p>&mdash; Oana Lungescu (NATOpress) 16 junho 2015

O anúncio de Putin já havia surgido como uma resposta aos alegados planos dos Estados Unidos em reforçar com artilharia pesada as posições militares nos Estados membros da NATO junto à fronteira com a Rússia. Um oficial russo descreveu estes planos norte-americanos como “o passo mais agressivo dado pelo Pentágono desde a Guerra Fria.” Ainda longe da Rússia, mas não muito, o norte-americano que lidera as forças da NATO na Europa, o general Philipe Breedlove, defendeu também já nesta terça-feira na Lituânia que os aliados do Atlântico Norte devem mostrar igualmente a sua “capacidade dissuasora”, em resposta à alegada ameaça de Putin. De visita à base aérea de Siauliai, Breedlove considerou que a Europa enfrenta uma “nova, diferente e exigente situação de segurança.”

#Russia claims that #NATO would break its commitment by pre-positioning equipment in E. Europe. Untrue. #RussiaMythspic.twitter.com/ScYzZ6mKeR

— Oana Lungescu (@NATOpress) 16 junho 2015

A época da guerra fria vai longe, mas o esgrimir de palavras a que se vai assitindo não anda longe do conceito de uma nova versão de um conflito de inteligência e paciência. Espera-se nova jogada no “tabuleiro” da geopolítica da Europa de leste.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin substitui Shoigu porque quer Ministério da Defesa "aberto à inovação"

Putin substitui ministro da Defesa. Shoigu será secretário no Conselho de Segurança da Rússia

Putin reconduz Mishustin no cargo de primeiro-ministro da Rússia