Última hora
This content is not available in your region

Um guia para compreender os gases com efeito de estufa

Um guia para compreender os gases com efeito de estufa
Tamanho do texto Aa Aa

O que são os gases com efeito de estufa?

Trata-se de gases que retêm parte da radiação e do calor na atmosfera terrestre, o que permite um nível de aquecimento essencial para a manutenção da vida na Terra. É um fenómeno natural que remonta à formação do planeta. No entanto, a atividade humana tem provocado uma concentração cada vez maior destes gases, o que impede o fluxo de saída do calor e leva ao aumento da temperatura global.

Estamos a falar de diferentes tipos de gases:

  • o dióxido de carbono* (CO2)
  • o metano* (CH4)
  • o óxido nitroso* (N2O)
  • os clorofluorcarbonetos* (CFCs)

Quais são os países que mais aquecem o planeta?

De acordo com a NASA, em 134 anos de registos oficiais, os 10 anos mais quentes ocorreram todos após 2000, à exceção de 1998, sendo que 2014 bateu todos os recordes. O gráfico do aumento gradual da temperatura fala por si.

O aumento das emissões destes gases é a principal causa das alterações climáticas. Desde o início da Revolução Industrial, em meados do século 18, os níveis de dióxido de carbono dispararam quase 40% e os de metano, 150%.

Que atividades agravam este contexto?

  • Indústrias do carvão, petróleo e gás* (combustíveis fósseis)
  • Deflorestação*
  • Criação de gado* (emissões de metano)
  • Uso de fertilizantes que contêm nitrogénio*
  • Gases fluorados* (utilizados nos equipamentos de refrigeração, por exemplo)

Pode encontrar o relatório do Eurostat sobre os setores mais poluentes na União Europeia aqui.

As principais consequências

O aquecimento global

  • O gelo nos pólos derrete e o nível dos oceanos sobe
  • Fenómenos climáticos extremos cada vez mais frequentes
  • Acidificação dos oceanos
  • Alterações no desenvolvimento das plantas
  • Aumento dos níveis de poluição
  • Degradação da camada de ozono (no entanto, um relatório publicado pela ONU aponta para a recuperação até 2050).

As medidas que foram tomadas

Em 1987, o Protocolo de Montreal proíbiu o uso de alguns gases fluorados. A União Europeia apresentou uma proposta de aditamento, em abril de 2015, para estipular também a redução da utilização de hidrofluorocarbonetos (HFCs).

Na última cimeira do G7, na Alemanha, foi traçado um objetivo muito ambicioso: o de acabar com a utilização de combustíveis fósseis até ao final deste século. A Greenpeace defende mesmo a antecipação da meta para 2050. A euronews fez uma síntese dos objetivos a alcançar no artigo Emissões de CO2, Combustíveis Fósseis e Energias Renováveis: Corrida em Contra-Relógio.

O Protocolo de Quioto, assinado em 1997, estabelece metas concretas para a reduçao das emissões de gases com efeito de estufa, sendo uma extensão da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas. O acordo prevê a cooperação entre países, nomeadamente na reforma do setor energético, na promoção das energias renováveis e na proteção das florestas.