Última hora

Última hora

Srebrenica, 20 anos: Um triste adeus

Srebrenica, 20 anos: Um triste adeus
Tamanho do texto Aa Aa

Foi debaixo de muita emoção que partiu de Visoko, na Bósnia, um camião com destino ao memorial de Srebrenica, em Potočari.

Nunca encontraram o meu pai. Enterraram o meu avô, o meu tio, os filhos deles e o meu cunhado. ==<blockquote class="twitter-tweet" lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Read <a href="https://twitter.com/MatthewRycroft1">@MatthewRycroft1</a>&#39;s speech on remembering the victims of the <a href="https://twitter.com/hashtag/Srebrenica?src=hash">#Srebrenica</

Dentro, viajavam os caixões com os restos mortais de 136 vítimas do massacre desta vila, num enclave muçulmano na Bósnia, em julho de 1995. Os funerais vão fazer-se como parte das comemorações do vigésimo aniversário. Estes corpos vão juntar-se aos mais de 6200 que foram já identificados e enterrados: “Estou mal, porque estou à espera deste momento há muito tempo. Esperámos 20 anos e, infelizmente, só encontraram alguns ossos do meu irmão”, diz um homem que assistiu à partida. Zijada assiste agora ao enterro de um irmão. Perdeu grande parte da família no massacre: “Nunca encontraram o meu pai. Enterraram o meu avô, o meu tio, os filhos deles e o meu cunhado”.

O massacre de Srebrenica foi talvez o episódio mais marcante da guerra dos Balcãs. A poucos meses do fim da guerra intercomunitária da Bósnia, as forças sérvias bósnias, comandadas por Ratko Mladić, chegaram a esta vila, separaram os homens das mulheres e executaram todos os habitantes do sexo masculino. Terão morrido cerca de oito mil pessoas.