Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Gold Cup 2015: México vence Panamá com polémica e enfrenta Jamaica na final

Gold Cup 2015: México vence Panamá com polémica e enfrenta Jamaica na final
Tamanho do texto Aa Aa

A Jamaica e o México vão jogar, no domingo, a final da Gold Cup, o torneio de seleções da Confederação de futebol da América do Norte, Central e Caraíbas. As meias-finais desta quarta-feira ficaram marcadas pela surpresa da derrota dos Estados Unidos e pelo controverso afastamento do Panamá.

Em Atlanta, os panamianos ficaram reduzidos a 10 jogadores logo aos 25 minutos, por expulsão de Luis Tejada. Mesmo assim, “los canaleros” conseguiram adiantar-se no marcador. Foi já na segunda parte, aos 56 minutos, na sequência de um canto, o central Roman Torres saltou mais alto que o mexicano Francisco Rodriguez e marcou de cabeça.



Com os portistas Diego Reyes e Hector Herrera no “11”, o México acabou por ser bafejado já nos descontos. Aos 97 minutos, o árbitro norte-americano Mark Geiger assinalou uma grande penalidade muito controversa contra o Panamá, por alegada mão na bola dentro da área de Roman Torres.




Andrés Guardado foi chamado a marcar, atirou colocado para a direita de Penedo Cano, empatou e levou o jogo para tempo extra.

À beira do intervalo do prolongamento, o árbitro assinalou nova grande penalidade, por suposto derrube de Cummings a Orozco. Guardado voltou a ser chamado, mas desta feita atirou para esquerda de Cano e marcou o golo decisivo desta meia-final.




No final, o Panamá protestou, e muito, contra a arbitragem. “Isto foi um grande roubo, um assalto à mão armada. É muito triste de se dizer, mas fomos roubados”, afirmou o selecionador do Panamá, Hernan Dario Gomez, para quem “o árbitro cometeu um erro monumental”: “Por causa disso, todo o nosso esforço foi por ‘água abaixo’.”

“Em alguns momentos, cheguei a pensar em retirar-me do futebol. Alguns jogadores não queriam continuar em campo”, revelou ainda Dario Gomez.

Para o México, foi o segundo jogo decidido a favor com um penálti no prolongamento depois de já ter vencido a Costa Rica, nos quartos-de-final, através de um castigo máximo sobre os 120 minutos. Apesar de tudo, o selecionador mexicano concordou que o árbitro esteve mal neste jogo com o Panamá, admitindo que a falta que originou o penálti do empate não existiu. Miguel Herrera alegou, contudo, que erros destes podem acontecer para os dois lados.

No final do jogo, o árbitro norte-americano, Mark Geiger, teve de abandonar o relvado sob proteção policial, devido à pressão exercida pelos elementos da equipa do Panamá.

Jamaica entra para a história


Menos controversa, mas muito surpreendente, foi a outra meia-final. A pouco cotada Jamaica enfrentava os anfitriões e bem mais experientes Estados Unidos, vencedores da última edição deste torneio.




A equipa orientada pelo alemão Jurgen Klinsmann dominou o encontro, mas dois golos de rajada sobre a meia hora, por Darren Mattocks e Giles Barnes, foram decisivos para os “reggae boys”. Os norte-americanos pressionaram em busca do empate e ainda reduziram a abrir a segunda parte, numa jogada de insistência concluída pelo capitão Michael Bradley, mas foi só.




A Jamaica conseguiu resistir à pressão, foi feliz e vai ser a primeira seleção das Caraíbas a disputar a final da Gold Cup. Os Estados Unidos vão jogar pelo terceiro lugar no sábado diante do Panamá.