A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Turquia prossegue ofensiva contra PKK na véspera de reunião da NATO

Turquia prossegue ofensiva contra PKK na véspera de reunião da NATO
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Turquia lançou um novo ataque, pela segunda noite consecutiva, contra bases dos separatistas curdos do PKK (Partido dos Trabalhadores do Curdistão) no norte do Iraque.

Quatro caças F16 bombardearam a região de Hakurk na noite de domingo para segunda-feira, em represália pela morte de dois militares turcos num ataque do grupo separatista em Diarbarkir no sábado.

Em paralelo, Ancara convocou uma reunião de urgência da NATO para terça-feira para analisar um pedido de assistência, ao abrigo do artigo 4 do tratado da Aliança Atlântica, que prevê uma situação de ameaça à segurança do país.

Desde a semana passada que o reacender do conflito com os separatistas curdos parece ter pulverizado o processo de paz em curso.

Mais de 800 pessoas foram detidas nos últimos dias pelas autoridades turcas, nas operações de Ancara contra o PKK e o grupo Estado Islâmico, na vizinha Síria.

Na zona do norte do Iraque atingida pelo bombardeamento de sábado um habitante afirma, “os caças turcos atingiram a nossa aldeia com 10 rockets. Estávamos todos bastante assustados. Bombardearam mesmo as nossas reservas de água. Agradecemos ao governo e ao parlamento por estarem a acompanhar a situação, mas não sabemos ainda o que pretendem fazer para responder ao ataque”.

Face ao ataque no território, apoiado pela Casa Branca, o presidente do Curdistão Iraquiano, Massoud Barzani, defendeu este domingo o regresso à trégua e às negociações de Ancara com o PKK.

Na Turquia, a oposição acusa o governo de utilizar a ofensiva com fins eleitorais, depois do partido pró-curdo HDP ter posto fim à maioria da formação governamental AKP o governo nas eleições de junho e quando o país poderia regressar às urnas até ao final do ano.