Lendário Corpo de Fuzileiros dos EUA sofre cortes orçamentais

Lendário Corpo de Fuzileiros dos EUA sofre cortes orçamentais
De  Maria-Joao Carvalho com Stefan Grobe
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O exército norte-americano, uma das mais prestigiadas instituições do país, está sob pressão por causa do maior número de missôes e cada vez menos

PUBLICIDADE

O exército norte-americano, uma das mais prestigiadas instituições do país, está sob pressão por causa do maior número de missôes e cada vez menos recursos.
Os republicanos clamam por mais participação no Iraque e na síria, para deter o autoproclamado estado islâmico; os democratas têm feito cortes orçamentais e pedem mais esforços aos Marines.

Em Quântico, na Virginia, a austeridade não afeta o ânimo dos que creem ter uma missão para a vida:

*Tenente Andrew McCormack:

- Ser Fuzileiro é uma atitude, uma mentalidade. saber que a missão nunca acaba significa melhorar constantemente.*

*Tenente-coronel Dane Hanson:

- Sabia que ao vir para aqui muda tudo é um desafio físico, morale intelectual que nos muda. Em mais lado nenhum conseguem formar assim tanta gente, com o mesmo nível. E mais: estamos a trabalhar com os mais competentes da América.*

Nos últimos anos, o Corpo de Fuzileiros Navais foi reduzido de 202 mil em 2012, para 184 mil. Mesmo assim, na Escola de Quântico, são treinados 1800 novos oficiais por ano.

Os Fuzileiros têm um grande orgulho em servir o Corpo que nasceu na Filadélfia, em 1775, e cresceu como a força de combate mais proeminente do país. Criaram uma lenda de força e coragem, de Iwo Jima a Saigão ou Fallujah…

Os cortes orçamentais previstos vão ser aplicados nos próximos dois anos, até ao fim de 2018. Segundo a Lei de Controle do Orçamento de 2011, o Exército dos EUA criou um plano para dispensar 40 mil militares e chegar a uma força ativa de 450 mil, no total.

*Sargento Luwanda Ruiz:

- Não é do género “vamos começar o treino, agora”. Não. O treino tem de ser contínuo, por isso estou muito confiante nos líderes que vão para a frente de combate comigo e sei que tudo o que me deram vai ajudar-me a regressar sã e salva.*

O Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos é maior do que as forças armadas de muitos países; é maior, por exemplo, do que o Exército Britânico.

Stefan Grobe, correspondente da euronews: - Como a ameaça global se altera constantemente, os Marines constituem uma elite nas forças armadas norte-americanas. Os oficiais são treinados para o sucesso das operações, mesmo se tiverem de fazer más opções. É a razão para o orgulho dos americanos nos seus Marines.

O Corpo de Fuzileiros Navais atua como um elemento versátil de combate, e está adaptado para servir uma grande variedade de operações de combate

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)0; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/en_GB/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));> Fuzileiros norte-americanos demonstram como disparar um canhão de 155mm. O correspondente da euronews Stefan Grobe fez…

Posted by euronews on Thursday, 30 July 2015

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)0; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/en_GB/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));> Todos já conhecem esta técnica do cinema mas é assim que se desarma um indivíduo armado. O nosso correspondente Stefan Grobe visitou um campo de treino dos fuzileiros norte-americanos.

Posted by euronews on Thursday, 30 July 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ex-militares dos EUA testemunham sobre OVNIs e programa secreto do governo que os recupera e estuda

Primeiro contingente de tropas da Alemanha chega a Vilnius para reforçar flanco leste da NATO

Porta-voz do exército israelita: "Pode haver um cessar-fogo hoje ou daqui a um ano".