A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

MH370: Malásia confirma que peça encontrada é do avião mas França... não

MH370: Malásia confirma que peça encontrada é do avião mas França... não
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O misterioso voo MH370 ganhou esta quarta-feira um importante, mas não definitivo capítulo. Na Malásia, o primeiro-ministro Najib Razak confirmou que o destroço encontrado na Ilha de Reunião era do voo da Malaysia Airlines desaparecido há ano e meio, mas pouco depois, em França, o procurador de Paris, Serge MaCkowiak, garantiu não gaver mais do que “forte presunsção” de que a peça pertença de facto ao Boeing 777 que fazia, a 8 de março, a ligação entre Kuala Lumpur e Pequim.

Esta quarta-feira, num laboratório especial em Toulouse, França, a peça encontrada há uma semana, numa praia da Ilha de Reunião, a leste de Madagascar, começou a ser analisada por uma equipa, que incluiu técnicos da Boeing e especialistas malaios.

Para o início da noite em França (19 horas, em Lisboa), foi marcada uma conferência de imprensaem Paris, para revelar asconclusões dos primeiros exames efetuadas à peça, confirmada apenas como parte de um avião da Boeing. Minutos antes dessa conferência, porém, Najib Razak surgiu na televisão malaia, em direto, a garantir que o destroço era de facto parte do avião que cumpria o voo MH370.

“É com o coração pesado que devo dizer-vos que uma equipaminternacional de especialistas conclui que o destroço encontrado na Ilha de Reunião provém efetivamente do voo MH370. Temos, agora, as provas físicas (…) que o voo MH370 terminou tragicamente a sua viagem no sul do oceano Índico”, disse o primeiro-ministro malaio, precipitando-se, aparentemente, nas conclusões.

Pouco depois das 20 horas (menos uma hora em Lisboa), o Procurador de Paris, Serge MaCkowiak, garantiu haver apenas “uma forte presunção” de que a peça pertencia de facto ao voo MH370.

Foi através do cruzamento da evidência de ser de facto a peça de um Boeing com as comunicações com o avião recolhidas pela Malásia que os especialistas internacionais, que analisaram a peça em Toiulouse esta quarta-feira, estabelecem a relação com o MH370.

A confirmação, adiantou o procurador, carece de mais exames e de provas conclusivas, que poderão ser conseguidas esta quinta-feira, após nova obervação ao destroço, confirmado apenas como parte da asa de um Boeing 777 e que terá estado submersa por muito tempo.