EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Hungria, um muro que não chega para conter uma crise

Hungria, um muro que não chega para conter uma crise
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A vedação que o governo húngaro decidiu construir na fronteira com a Sérvia deve de estender-se ao longo de 175 quilómetros. A primeira fase, a

PUBLICIDADE

A vedação que o governo húngaro decidiu construir na fronteira com a Sérvia deve de estender-se ao longo de 175 quilómetros. A primeira fase, a construção da vedação baixa, deve de estar concluída na próxima segunda-feira. A segunda fase, a construção da vedação alta, estará concluída em finais de novembro.

O objectivo do governo é tentar evitar que os refugiados continuem a atravessar a Hungria.

A vedação, para já, parece não ser o suficiente para lhes barrar o caminho. Procuram um ponto onde o exército não consegue colocar uma vedação, por exemplo uma linha de comboio.

Um jovem afegão explica a razão pela qual a vedação não é suficiente para o deter:

“O meu pai foi brutalmente assassinado. No Afeganistão não olham por tí, não há respeito pela humanidade. Lá matam a troco de nada. Se tiveres algo que queiram, matam-te. Eles são teus inimigos a troco de nada. De fato, eles não respeitam o ser humano.” A polícia aguarda pelos refugiados e reúne-os.

Mas registar tantas pessoas pode demorar muito tempo, especialmente quando se atingem números recorde de refugiados.

Em consequência, na quarta-feira, para controlar um tumulto, a polícia disparou gás lacrimogéneo sobre 200 refugiados.

No seguimento, as autoridades húngaras decidiram enviar mais 2100 agentes para as fronteiras.

Para a vice-presidente da representação Comité de Helsínquia na Hungria, Márta Pardavi, a ajuda prestada pelas organizações não governamentais e pelos voluntários, é essencial para estes refugiados.

“Se não existissem voluntários para ajudar estas pessoas com um mínimo de comida, bebida e informação, acho que aqueles que procuram asilo não saberiam o que fazer, o que esperar, o que lhes poderia acontecer.” Apesar de muitos usarem a Hungria como ponto de passagem, o país, membro da União Europeia, já recebeu 120 mil pedidos de asilo este ano, mais do dobro de 2014, e muito superior aos 2.000 pedidos de 2012.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Maré humana às portas da Hungria

Migração: Esperança e incertezas no caminho para um novo começo

Situação dos migrantes vai agravar-se nos próximos meses