Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Burkina Faso: Golpistas poderão render-se esta terça-feira

Burkina Faso: Golpistas poderão render-se esta terça-feira
Tamanho do texto Aa Aa

O exército do Burkina Faso está a tentar pôr fim ao golpe militar da semana passada no país.

Centenas de soldados, fiéis ao governo transitório deposto, chegaram nas últimas horas à capital, onde decorrem conversações entre os responsáveis militares e os golpistas, membros da guarda presidencial.

O grupo liderado pelo general Gilbert Dienderé, libertou esta noite o presidente do governo provisório, Michel Kafando, que se encontrava sequestrado desde a véspera do golpe, na semana passada.

Num discurso televisivo, o líder da junta confirmou que vai devolver o poder ao governo de transição, depois de um acordo de paz definitivo mediado pela Comunidade dos Países da África Ocidental.

O exército fiel ao governo transitório de Michel Kafando, exige agora que os golpistas deponham as armas, à luz do acordo de paz apresentado no domingo.

O entendimento que prevê uma amnistia para os militares revoltosos vai ser discutido na reunião da Comunidade dos Países da África Ocidental, esta terça-feira, na Nigéria.

O golpe militar ocorreu a semanas das eleições que devem assinalar o fim da transição política do país, após a queda do regime do presidente Campaoré há um ano.

Os golpistas protestavam contra a decisão da comissão eleitoral de proibir que candidatos próximos do antigo presidente se apresentem às eleições.

A poderosa guarda presidencial, apontada como “um exército dentro do exército” tinha reivindicado o golpe, dias depois do governo ter exigido a dissolução das forças de elite constituiídas por cerca de 1.300 homens.