EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

A divisão dos movimentos palestinianos

A divisão dos movimentos palestinianos
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com a escalada da tensão e violência entre israelitas e palestinianos, a Euronews esteve em Jenin, na Cisjordânia para perceber qual a posição dos

PUBLICIDADE

Com a escalada da tensão e violência entre israelitas e palestinianos, a Euronews esteve em Jenin, na Cisjordânia para perceber qual a posição dos líderes locais sobre a possibilidade de uma terceira Intifada. O movimento dominante é a Fatah, do presidente Mahmoud Abbas.
Os dirigentes da região garantem que o objetivo é seguir todas as diretivas do programa político do movimento. Jammal Jaradat explica que a posição do Abbas é para respeitar: “nós, o movimento da Fatah, apoiamos a resistência popular e estamos muito empenhados em atingir os nossos objetivos. A Fatah tem o direito de utilizar todos os meios disponíveis e a adaptar-se a cada etapa”.

O Hamas está na oposição ao governo de Mahmoud Abbas e denuncia o que chama de judaisação de Jerusalém, que com a colonização, são resultado dos 23 anos das negociações de paz. Wasfi Kabaha, um dos líderes do movimento na Cisjordânia defende que “A coordenação da segurança limita a reação palestiniana e a resistência à ocupação israelita…uma vez que grande parte dos prisoneiros que são liberdados por Israel, são de imediato detidos pela Autoridade Palestiniana. Este é um grande desafio, tanto para o Hamas como para todas as fações palestinianas”.

Já o líder do grupo Jihad Islâmica na região, Khader Adnan, apoia a Intifada como uma forma legítima de resistência contra a ocupação israelita: “porque é que o nosso povo não pode resistir a esta ocupação? É necessário que a resistência esteja unida. Com esta Intifada queremos mostrar que não concordamos com as negociações, negociações essas que fazem parte do passado e esta Intifada não pode ser aproveitada pelo negociador”.

A posição da Frente Popular para a Libertação da Palestina não é muito diferente, tal como refere Jaafar Abu Salah, um dos representantes da organização: “apoiamos todas as formas de resistência palestiniana, incluindo a violência em resposta à injustiça e à agressividade da ocupação.

O correspondente da euronews, Mohammed Shaikhibrahim, explica que “a divisão entre palestinianos e as divergências dos programas políticos de todas as fações tornam-se um obstáculo à resolução do conflito com Israel…e enfraquecem a posição da Palestina”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataque israelita na Cisjordânia faz 14 mortos. EUA ponderam sanções ao exército israelita

Israel diz ter matado três membros do Hamas num hospital na Cisjordânia

Forças israelitas terminam operações no norte de Gaza