EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

MH17: Inquérito afirma que míssil russo abateu avião da Malaysia Airlines

MH17: Inquérito afirma que míssil russo abateu avião da Malaysia Airlines
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um inquérito internacional conclui que o Boeing 777 da Malayasia Airlines, que se despenhou a 17 de julho de 2014, no leste da Ucrânia, foi abatido

PUBLICIDADE

Um inquérito internacional conclui que o Boeing 777 da Malayasia Airlines, que se despenhou a 17 de julho de 2014, no leste da Ucrânia, foi abatido por um míssil BUK terra-ar, de fabrico russo.

A aeronave foi atingida quando decorriam intensos combates entre separatistas pró-russos e as forças leais ao governo de Kiev.

O inquérito foi conduzido por representantes da Ucrânia, Malásia, Austrália, Reino Unido, Estados Unidos da América, Rússia e foi liderado pela Holanda.

O voo MH17 fazia a ligação entre Amesterdão, na Holanda, e Kuala Lumpur, na Malásia.

A bordo seguiam 298 pessoas, 193 eram de nacionalidade holandesa.

Desde a queda do aparelho, as autoridades ucranianas e russas trocam acusações e imputam responsabilidades ao adversário.

Moscovo alega que o relatório é parcial e contém conclusões erradas. A Almaz Antey, a empresa russa de armamento, garante que a equipa internacional errou na identificação do míssil e na direção do mesmo.

Para provar esta teoria, a empresa russa explodiu, no início deste mês, um avião fora de circulação, com um míssil BUK. Os russos afirmam que o resultado desta experiência prova que o Boeing 777 foi abatido por um míssil de modelo antigo, que já não é utilizado pelas forças de Moscovo, e que terá sido lançado de uma zona a sudoeste do local onde o avião se despenhou.

Em julho, de 2015, a Rússia vetou uma resolução, no Conselho de Segurança das Nações Unidas, que visava a criação de um tribunal especial para julgar os responsáveis deste desastre aéreo. Uma exigência de vários países, encabeçada pela Holanda.

A comunidade internacional procura agora outros meios para desencadear procedimentos judiciais, embora ainda não tenha sido identificado ou detido qualquer suspeito.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de sapatos colocados numa praça em homenagem às crianças mortas em Gaza

Novas imagens das operações do exército israelita em Gaza

Líder do Malawi pede investigação independente à morte do vice-presidente em acidente de aviação