Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Eleições na Polónia: o essencial

Eleições na Polónia: o essencial
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os polacos vão votar, no dia 25 de outubro, para eleger 460 deputados e 100 senadores. Depois do triunfo, nas presidenciais de maio, do candidato do partido Lei e Justiça (PiS), Andrzej Duda, as sondagens prometem a vitória aos conservadores, mas sem lhes garantir maioria absoluta.

Os grandes adversários deste sufrágio são o PiS e o Plataforma Cívica (PO), os dois maiores partidos políticos do país, ambos herdeiros do “Solidariedade”, o movimento político de oposição ao comunismo.

O que é que está em jogo?

O PO, no poder desde há oito anos, está desgatado e desmoralizado depois da derrota do seu candidato, Bronislaw Komorowski, nas presidenciais. Os ventos parecem soprar a favor dos conservadores, e depois de perder o presidente os liberais do PO pode estar à beira de perder o poder legislativo.

Sem ser contrário à presença do país na união Europeia, o PiS acusa os liberais de demasiada cedência a Bruxelas e a Moscovo, mantendo um discurso que apela ao reforço da soberania nacional. Os políticos do PO respondem acusando o PiS de populismo.

How does Poland’s electoral system work?

Na Polónia, os assentos na câmara baixa do parlamento são conquistados segundo um sistema proporcional, pelos partidos que alcançam pelo menos 5% dos votos. As coligações têm de atingir pelo menos 8%.

Existem na Polónia 41 distritos eleitorais, cada um com direito a entre sete e 19 lugares, segundo a sua dimensão.

Os 100 membros do senado são eleitos em sufrágio direto. Os assentos são distribuídos, desde 2011, de acordo com o sistema de voto majoritário.

Quais os partidos políticos polacos?

O Lei e Justiça (PiS), conservador, promete dar maior papel ao Estado na economia e baixar a idade da reforma.

O Plataforma Cívica (PO) planeia introduzir um salário mínimo por hora e dificultar contratos de trabalho temporários .

Kurkiz’15 denuncia aquilo que como o estatuto atual da Polónia de “colónia de governos estrangeiros e empresas internacionais”.

O Nowoczesna promete simplificar os impostos, acabar com o financiamento dos partidos políticos a partir do orçamento de Estado e reduzir a burocracia.

O Partido Popular da Polónia (PSL) quer promover o empreendedorismo na agricultura e alargar o apoio financeiro a empresas polacas. Normalmente aberto a coligações com partidos de esquerda ou direita, procura tradicionalmente defender os interesses dos agricultores.

O Esquerda Unida gostaria de aumentar o salário mínimo na Polónia por mais de 40%, impor um salário por hora mínimo correspondente, proibir estágios não remunerados e reduzir a idade da reforma, vinculando-a ao número de anos trabalhados.

Korwin, quer limitar a influência da UE na Polónia, acabar com a influência do Estado na economia, educação e serviços de saúde.