EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Israel e Jordânia de acordo pelo respeito dos santuários de Jerusalém

Israel e Jordânia de acordo pelo respeito dos santuários de Jerusalém
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israel e Jordânia chegaram a acordo este sábado sobre o “status quo” dos locais sagrados de Jerusalém, nomeadamente da Esplanada das Mesquitas, onde

PUBLICIDADE

Israel e Jordânia chegaram a acordo este sábado sobre o “status quo” dos locais sagrados de Jerusalém, nomeadamente da Esplanada das Mesquitas, onde há pouco mais de um mês foi espoletada uma nova onda violência sangrenta entre israelitas e palestinianos. A notícia do acordo foi avançada em primeira mão, em Amã, pelo secretário de Estado norte-americano.

Após uma reunião com o rei Abdallah, da Jordânia, John Kerry revelou terem sido aceites, de parte a parte, novas regras para a zona da Cidade Velha de Jerusalém descrita como o terceiro local sagrado do Islão e na qual apenas podem rezar muçulmanos. O mediador norte-americano revelou que uma delas será “providenciar videovigilância 24 horas horas por dia no Monte do Templo”, local conhecido pelos muçulmanos como “Haram al-Sharif”. <(p>

.JohnKerry</a> & <a href="https://twitter.com/hashtag/Jordan?src=hash">#Jordan</a>&#39;s FM <a href="https://twitter.com/NasserJudeh">NasserJudeh addressed reporters in Amman. Read their remarks → https://t.co/4SCtdtdrE7. pic.twitter.com/M3orkf8cme

— Department of State (@StateDept) 24 outubro 2015

“Esta medida vai permitir dar visibilidade e transparência ao local e pode, de facto, revelar-se determinante para desencorajar quem quer que seja de perturbar a santidade deste local sagrado”, defendeu Kerry, acrescentando a concordância do primeiro-ministro israelita em “respeitar plenamente o papel particular” da Jordânia na administração dos edifícios islâmicos da Cidade Velha de Jerusalém.

Horas depois, Benjamin Netanyahu confirmou o acordo através de um comunicado (pode ler o original na íntegra, em baixo, na publicação de Facebook). “Vamos continuar a assegurar o acesso ao Monte do Templo aos fiéis que venham em paz e aos visitantes, ao mesmo tempo que mantemos a ordem pública e a segurança. Somos recetivos ao reforço da coordenação entre as autoridades de Israel e a administração jordana (“Waqf”) para garantir que visitantes e fiéis revelem contenção e respeito pela santidade do local”, disse o chefe do Governo israelita.

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)0; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_PT/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));> Statement by Prime Minister Benjamin Netanyahu Regarding the Temple Mount:“Recognizing the importance of the Temple…

Posted by The Prime Minister of Israel on�Sábado, 24 de Outubro de 2015

O acordo visa apaziguar a onda de violência que desde meados de setembro se tem vindo a intensificar e a alastrar por toda região. O “gatilho” foram as restrições do acesso à mesquita de Al Aqsa impostas pelas autoridades israelitas aos muçulmanos, por alegadas questões de segurança. Só em outubro, neste conflito, já morreram 57 palestinianos (números do Ministério da Saúde palestiniano) e 9 israelitas.

Netanyahu: “Muslims pray on the Temple Mount, non-Muslims visit” https://t.co/aIHv6dAisL#ArabIsraeliConflictpic.twitter.com/GycTLx47oK

— The Jerusalem Post (@Jerusalem_Post) 24 outubro 2015

(“Netanyahu: ‘Muçulmanos rezam no Monte do Templo, nõ muçulmanos visitam’.”)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alerta máximo em Israel depois de palestinianos terem apelado a um "dia da ira"

Conflito israelo-palestiniano: O muro da separação

Esplanada das Mesquitas palco de confrontos entre palestinianos e a polícia israelita