EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Carnívoros ligam pouco ao relatório da OMS

Carnívoros ligam pouco ao relatório da OMS
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Sandrine Delorme
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O importante é comer pouco, mas de boa qualidade. Afinal, o tabaco mata muito mais.

PUBLICIDADE

Depois do choque inicial, os amantes de charcutaria e de carne vermelha parecem pouco alarmados com as informações da Organização Mundial de Saúde, que colocou estes alimentos na lista dos cancerígenos.

Afinal, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Cancro da OMS esclareceu que o risco é muito mais reduzido que o decorrente de outras substâncias como o tabaco.

Neste mercado em Lyon, nem os comerciantes nem os clientes parecem preocupados: “Têm de perguntar aos avôs e avós que têm 90 anos e vêm aqui todos os dias comprar salsichão. É a eles que tem de perguntar, não a nós. Até prova em contrário, ainda não matámos ninguém”, diz um talhante à repórter da euronews.

“O importante é não comer grandes quantidades. É preciso saber comer menos, mas de boa qualidade”, diz uma cliente. Outro comprador acrescenta: “É uma história política. Não se pode destruir assim os criadores. É estúpido”.

O relatório da IARC baseia-se em estudos feitos por vários cientistas, que comprovam o aumento de risco de cancro, nomeadamente do cancro colorretal, nos pacientes que consomem habitualmente carnes transformadas. A carne vermelha faz também parte do estudo, mas a correlação com o cancro é menor.

Muitos reagiram com humor:

Fíate de la OMS 100%, pero no de titulares de algunos medios que interpretan de forma errónea los datos.#JeSuisBaconpic.twitter.com/C1bQgCoN8O

— Arturo Moscoso M. (@artumoscoso) October 27, 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Homem que recebeu rim de um porco teve alta hospitalar

Canábis pode ajudar a travar cancro da pele

É assim que a mudança da hora afeta a saúde, e não é para melhor. Conheça os sintomas e as soluções