Autoridades turcas ocupam dois canais de TV

Autoridades turcas ocupam dois canais de TV
De  Ricardo Figueira com AFP, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A tomada dos canais Kanaltürk e Bugün TV, em véspera de eleições, foi feita em direto.

PUBLICIDADE

Na Turquia, as autoridades desferiram um golpe duro em dois canais privados de televisão, um gesto visto pela oposição como uma tentativa de calar a liberdade de expressão, em véspera de eleições.

A régie dos canais Kanaltürk e Bugün TV foi ocupada, em direto, pelas forças da ordem, depois da justiça ter colocado o grupo Koza İpek, dono dos canais, sob tutela.

A justiça decidiu tomar o controlo deste grupo de comunicação devido às alegadas ligações ao clérigo Fethullah Gülen, considerado um terrorista pelas autoridades de Ancara.

Gülen, atualmente refugiado nos Estados Unidos, já foi uma figura próxima do presidente Recep Tayyip Erdoğan, mas tornou-se depois num dos mais ferozes opositores. É acusado de ter construído um Estado paralelo para deitar abaixo o poder instalado na Turquia.

O grupo de comunicação social e os dois canais sofrem a acusação de estar a financiar e a recrutar elementos para o movimento de Gülen.

Contra a ocupação, os jornalistas dos dois canais manifestaram-se ontem à porta da sede. A embaixada norte-americana em Ancara também se mostrou preocupada:

(1/2) The US believes strongly that freedom of press/expression are universal rights. They are essential for healthy democratic societies.

— US Embassy Turkey (@USEmbassyTurkey) October 27, 2015

(2/2) When there is a reduction in the range of viewpoints available to citizens, especially before an election, it is a matter of concern.

— US Embassy Turkey (@USEmbassyTurkey) October 27, 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que precisa saber sobre as eleições legislativas na Turquia

Chuvas fortes causam pelo menos uma morte na Turquia

Parlamento turco aprova adesão da Suécia à NATO