Aumenta a violência entre cristãos e muçulmanos na República Centro-Africana

Aumenta a violência entre cristãos e muçulmanos na República Centro-Africana
De  Euronews com REUTERS/AGêNCIA ECCLESIA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em Bangui, capital da República Centro-Africana, dezenas de pessoas estão a abandonar as suas casas. A insegurança está a aumentar, devido à escalada

PUBLICIDADE

Em Bangui, capital da República Centro-Africana, dezenas de pessoas estão a abandonar as suas casas. A insegurança está a aumentar, devido à escalada da violência entre cristãos e muçulmanos. No fim de semana mais de uma dezena de pessoas ficou ferida depois de ser baleada por um muçulmano. A questão das armas volta a estar no centro do debate:

“Não houve desarmamento no país. É por isso que a guerra continua. Se tivesse havido esta guerra não estaria a acontecer como está. Os árabes têm armas, vão aos bairros e matam pessoas e a rádio não diz nada”, afirma Eugene Gazalima, agricultor e residente na capital.

Esta segunda-feira, dia em que foi assassinada, pelo menos, mais uma pessoa, o Presidente do país afirmou que as forças de paz da ONU não conseguiram interromper o ciclo de violência na capital. Desde final de setembro morreram, pelo menos, 90 pessoas.

Growing anger at UN peacekeepers in Centr Afr'n Rep for insufficiently protecting civilians. https://t.co/NbeVJj6Tf0pic.twitter.com/qWuIah34WH

— Kenneth Roth (@KenRoth) 30 outubro 2015

O Papa Francisco, que tinha uma visita programada ao país para o final de novembro, manifestou, no Vaticano, “grande preocupação” com a situação, um cenário de violência que poderá pôr em risco a sua viagem.

Pope hints Central African Republic visit could be canceled https://t.co/7I2yYoCBq0pic.twitter.com/W45wbuAWqe

— GMA News (@gmanews) 1 novembro 2015

O país mergulhou nesta profunda crise quando os rebeldes Séléka, maioritariamente muçulmanos, tomaram o poder, em 2013, através de golpe de Estado, o que levou a represálias por milícias da maioria cristã. Desde então os banhos de sangue repetem-se.

Read TyMcCormick</a>&#39;s deep dive on the peacekeeping disaster in C. African Republic: <a href="https://t.co/Ds3M7a3QPI">https://t.co/Ds3M7a3QPI</a> <a href="https://t.co/qla3Lo4XvW">pic.twitter.com/qla3Lo4XvW</a></p>&mdash; Foreign Policy (ForeignPolicy) 1 novembro 2015

Há 20 portugueses a viver em Bangui, entre eles o Comandante do corpo de polícia das Nações Unidas, na missão de paz no país, o superintendente da Polícia de Segurança Pública Luís Carrilho, distinguido, pela ONU, com o louvor “Outstanding Role Model”.

(function(d, s, id) { var js, fjs = d.getElementsByTagName(s)0; if (d.getElementById(id)) return; js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = “//connect.facebook.net/pt_PT/sdk.js#xfbml=1&version=v2.3”; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs);}(document, ‘script’, ‘facebook-jssdk’));> Parab�ns ao Oficial da PSP Lu�s Carrilho pelos feitos alcan�ados e pelo reconhecimento ontem prestado pela ONU com a…

Posted by Polícia Segurança Pública on�Sábado, 24 de Outubro de 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia russa prende mais de 100 pessoas em eventos de homenagem a Navalny

Dublin vive noite caótica após esfaqueamento junto a escola

Festival da Eritreia degenera em violência