Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

David Cameron defende cancelamento de voos frente a um duvidoso Al-Sisi

David Cameron defende cancelamento de voos frente a um duvidoso Al-Sisi
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro britânico recebeu, esta quinta-feira, um convidado incómodo para centenas de manifestantes em Londres.

A reunião de David Cameron com o presidente egípcio Abdul Fattah Al-Sisi, inicialmente destinada a reforçar a cooperação entre os dois países, decorreu sob dois protestos rivais no exterior do número 10 de Downing Street.

Ao final da reunião, Al-Sisi afirmou que compreende as preocupações de David Cameron ao suspender os voos para o Reino Unido com partida de Sharm El-Sheikh, lembrando que, “a segurança no aeroporto já tinha sido reforçada a pedido de Londres, há 10 meses”.

O primeiro-ministro britânico declarou, por seu lado, que, “foi uma decisão acertada, que tem por base informações dos serviços de inteligência. Como já o disse, há mais razões para pensar que o despenhamento do avião russo foi provocado por uma bomba, do que para pensar o contrário”, afirmou Cameron.

O primeiro-ministro britânico sublinhou ainda a importância de repatriar agora os cerca de 20 mil turistas do país que se encontram na estância balnear.

No exterior da reunião, manifestantes pró e anti-Sisi realizaram dois protestos rivais, separados por um cordão policial.

Para um manifestante pró-Sisi, “eu penso que é o salvador do nosso país, salvou-nos da Irmandade Muçulmana. Al-Sisi livrou-nos deste mal”.

Uma manifestante anti-Sisi retorque: “Estamos num país democrático e não pode acolher alguém que matou seis mil pessoas e deteve mais de 40 mil. Não o queremos neste país”.

A polícia britânica foi obrigada a intervir para tentar separar os dois protestos que refletem a divisão atual do Egito, face ao ex-chefe do exército que derrubou o ex-presidente islamita Mohamed Morsi, executando ou detendo milhares de opositores.