Espanha: Milhares de mulheres contra a violência sexista

Espanha: Milhares de mulheres contra a violência sexista
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Dezenas de milhares de pessoas de toda a Espanha concentraram-se este sábado em Madrid contra a violência sobre as mulheres. Segundo fontes oficias

PUBLICIDADE

Dezenas de milhares de pessoas de toda a Espanha concentraram-se este sábado em Madrid contra a violência sobre as mulheres.

Segundo fontes oficias, este ano mais de 41 mulheres foram mortas pelos companheiros ou ex-companheiros.

Quatrocentas associações responderam à chamada e centenas de autocarros chegaram de diferentes pontos do país.

Olga Aranza, de 45 anos de idade, vítima de violência doméstica e professor, residente Madrid: “Eu acho que é importante que as pessoas venham manifestar hoje, porque eu sou um exemplo de uma mulher que foi capaz de sair da violência doméstica, e isso significa que todas as mulheres vítimas de abuso também podem fazê-lo e ter uma vida melhor”

Miguel Navarro, arquiteto de 34 anos de idade de Madrid: “Eu acho que é essencial que nós, os homens também participemos nesta manifestação para que possamos enviar uma mensagem clara para as mulheres, dizendo-lhes que elas não estão sozinhas nesta luta contra a violência sexista que estamos com elas, que a luta contra a violência é um passo crucial se quisermos alcançar uma sociedade mais democrática. “ Em período de pré campanha eleitoral, já que as legislativas em Espanha estão marcadas para 20 de dezembro, também participaram na manifestação representantes dos principais sindicatos e de todos os partidos políticos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um arquiteto juntou-se a 17 famílias e nasceu a primeira cooperativa de habitação em Madrid

Só em janeiro, Canárias receberam mais migrantes do que na primeira metade de 2023

Vinícius Júnior, jogador do Real Madrid, não conseguiu conter as lágrimas ao falar de racismo