Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

A Inglaterra é prudente, a OPEP é pessimista

A Inglaterra é prudente, a OPEP é pessimista
Tamanho do texto Aa Aa

A reunião da semana passada dos responsáveis do banco central inglês era aguardada com algum otimismo. Muitos esperavam que o governador Mark Carney anunciasse uma subida das taxas de juro. Não foi o que aconteceu. A prudência de Carney surpreendeu os mercados, fazendo desvanecer o entusiasmo dos investidores. Aqui fica um breve resumo do que estava em jogo nessa reunião.

A palavra de ordem é… prudência

O Banco de Inglaterra não tem pressa. Não, pelo menos no que toca à subida da taxa de juro. O banco central deixou entender que pode vir a alargar o programa de injeção de ativos – a flexibilização quantitativa – e mesmo reduzir ainda mais a taxa, que já se situa no mínimo histórico de 0,5%. A instituição revê em baixa as previsões de crescimento e de evolução da inflação, que poderá atingir a meta de 2% apenas em 2017, e não em 2016, como era antecipado.

Segundo o governador, Mark Carney, “o comité estima que o crescimento global do Reino Unido seja mais modesto do que aquilo que era previsto em agosto passado. Este cenário é influenciado por fatores como um abrandamento mais abrupto da economia chinesa ou o aumento da dívida dos países emergentes e a sua exposição à fuga de capitais.” Na sequência destas palavras, a libra esterlina registou, na passada quinta-feira, uma queda de cerca de 1%.

A opinião de Nour Eldeen al-Hammoury, da ADS Securities

Daleen Hassan, euronews: Apesar do quadro positivo que o Reino Unido apresenta, Mark Carney optou pela prudência. Como é que esta decisão está a ser interpretada?

Nour Eldeen al-Hammoury: Mark Carney foi, de facto, muito moderado. Mas isso pode ser encarado de uma forma bastante positiva. O Banco de Inglaterra fez prova de transparência, ao contrário do que acontece com outros bancos centrais. Considerar que é muito cedo para subir as taxas e sugerir que estas podem mesmo ser mantidas até 2017, é uma exigência de mais transparência. É isso que os mercados pretendem e é disso que necessitam para estabilizar.

euronews: A libra tem-se mantido estável, desde o início do ano, face ao dólar. Quais são as previsões daqui até ao próximo encontro do banco central?

Nour Eldeen al-Hammoury: Desde que o ano começou que a libra se movimenta perante o dólar numa margem entre 1,50 e 1,55. É um intervalo que deverá prosseguir, a não ser que haja uma grande surpresa na economia britânica e que os números do crescimento e da inflação comecem a ser extremamente positivos. Esse seria o cenário que reforçaria a solidez da libra.

euronews: No Business Snapshot, vamos falar do relatório secreto da OPEP, que prevê que o valor do petróleo continue em baixa durante os próximos anos, o que pode dificultar muito a vida aos países do Conselho de Cooperação do Golfo. O que é que o aparente pessimismo da OPEP significa para estes países?

Nour Eldeen Al-Hammoury: Há um ano que a OPEP se mostra pessimista. Mas isso não significa que vamos assistir a uma queda pronunciada dos preços do petróleo, rumo aos 25 dólares por barril, por exemplo. Isso não é algo que esteja em cima da mesa. A maior parte dos fatores negativos que afetam este setor já foi antecipada ao longo do ano. Em agosto, acreditava-se que a tendência era a estabilização dos preços e foi isso que se verificou. Há uma margem de 5 dólares de oscilação, para cima e para baixo, na venda de petróleo. Isso é algo que deverá continuar. No que diz respeito aos países do Conselho de Cooperação do Golfo, muitos deles tomaram medidas como a desregulação dos preços. Mais ainda: a Arábia Saudita adiou alguns projetos e emitiu obrigações. São medidas que podem ajudar no curto prazo. É também preciso não esquecer que se trata de países com uma dívida soberana reduzida, o que lhes permite pedir crédito, tal como aconteceu após a crise financeira de 2008, de forma a suprir as suas necessidades até que haja retoma nos preços do petróleo. Nós acreditamos que estes países vão superar este desafio.

Business Snapshot: OPEP não vê 2020 com bons olhos

De acordo com a Reuters, há um relatório confidencial da OPEP que prevê que a procura de petróleo continue a posicionar-se em níveis mais reduzidos durante os próximos anos.

Ao que tudo indica, o documento da Organização dos Países Exportadores de Petróleo indica que a fatia da OPEP no mercado energético vai aumentar, uma vez que se estima um declínio na exploração de petróleo de xisto e de gás natural. No entanto, os preços deverão manter-se modestos. Em 2020, o barril poderá atingir os 80 dólares, contra os 55 atuais. A proposta do Irão e da Argélia de situar os preços numa margem mais elevada não deverá passar pelo crivo da Arábia Saudita.

A próxima reunião da OPEP está marcada para o dia 4 de dezembro. A diferença de abordagens dentro da organização promete mais controvérsia.