EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Eagles of Death Metal: "Houve tantos mortos porque muitos não abandonaram os amigos"

Eagles of Death Metal: "Houve tantos mortos porque muitos não abandonaram os amigos"
Direitos de autor 
De  Euronews com reuters, vice
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A banda que atuava no Bataclan quando ocorreram os atentados de Paris deu a primeira entrevista depois do massacre.

PUBLICIDADE

A banda que atuava no Bataclan quando ocorreram os atentados de Paris deu a primeira entrevista depois do massacre.

O vocalista dos Eagles of Death Metal, Jesse Hughes, falou à revista Vice. A entrevista será difundida na integra nos próximos dias.

Cinco dias depois dos ataques, a banda rock da Califórnia publicou uma mensagem nas redes sociais em que expressa pesar pelos que morreram e agradece o trabalho das autoridades.

No excerto da entrevista à Vice, agora divulgado, Jesse Hughes, visivelmente emocionado, afirma: “Várias pessoas esconderam-se no camarim”. Mas, os terroristas “conseguiram entrar e mataram todos menos um miúdo que se escondeu debaixo do meu casaco de cabedal”. O líder da banda explica que “as pessoas fingiram estar mortas e estavam cheias de medo. Uma das razões porque houve tantos mortos é porque muitas pessoas não abandonaram os amigos. Muitos colocaram-se à frente de outras pessoas”, conclui.

Os Eagles of Death Metal cancelaram o resto da digressão, que passava por Portugal, em dezembro.

Em Paris, as homenagens às vítimas são diárias, muitas vezes acompanhadas ao som do piano. Mais de uma semana depois dos atentados, turistas e parisienses continuam a colocar velas e flores nos vários memoriais improvisados junto aos palcos dos ataques terroristas na capital francesa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eagles of Death Metal quebram silêncio

França aperta medidas de segurança antes da cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos

Ucraniano pró-russo detido em hospital francês por suspeita de planear um atentado