Impedir muçulmanos de entrarem nos EUA continua a ser a bandeira de Donald Trump

Impedir muçulmanos de entrarem nos EUA continua a ser a bandeira de Donald Trump
De  Nara Madeira com APTN/REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Donald Trump, continua a alimentar a polémica. Our VISA system is broken, like so much else in our country. We better get it fixed really fast.

PUBLICIDADE

Donald Trump, continua a alimentar a polémica.

Our VISA system is broken, like so much else in our country. We better get it fixed really fast. MAKE AMERICA GREAT AGAIN!

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) 10 dezembro 2015

O magnata do setor imobiliário, que está na corrida à candidatura republicana para as presidenciais nos EUA, defendeu a sua proposta de proibir, temporariamente, os muçulmanos de entrarem no país:

“Depois daquilo que eu disse no outro dia, de repente vejo programas, de manhã ou à noite, e o que ouço é “O Trump tem alguma razão. O sistema de vistos não está a funcionar”. Esta mulher entrou com um visto de casamento e ela foi, completamente, radicalizada e ela entrou no país… Nós não podemos continuar a pagar o preço por sermos politicamente corretos”, afirmou Trump.

In Britain, more Muslims join ISIS than join the British army.
https://t.co/LQVNz7b2Eb

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) 11 dezembro 2015

No exterior do hotel de Trump centenas de manifestantes, maioritariamente, muçulmanos e ativistas dos Direitos Humanos, manifestavam-se contra as posições do pré-candidato republicano às presidenciais de 2016 nos EUA.

My mom is Muslim. She saves hundreds of children's lives by providing free open heart surgeries their families couldn't afford otherwise.

— Carina MacKenzie (@cadlymack) 7 dezembro 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Donald Trump: sinónimo de polémica

Nova Iorque sacudida por terramoto de 4,8 na escala de Richter, o maior em mais de 40 anos

Israel vai abrir dois corredores de ajuda humanitária em Gaza após aviso dos EUA