A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Nurofen fazia publicidade enganosa

Nurofen fazia publicidade enganosa
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A farmacêutica britânica Reckitt Benckiser está em maus lençóis na Austrália, onde a justiça a obrigou a retirar das farmácias várias variedades do analgésico Nurofen.

Havia tipos diferentes de Nurofen: Para as costas, para a cabeça e para as dores menstruais. Mas a composição dos produtos era sempre a mesma: 342 miligramas de ibuprofeno.

A Reckitt estava a vender o que supostamente eram diferentes versões do produto, para tipos diferentes de dores, quando na verdade o medicamento vendido era exatamente o mesmo.

“Os consumidores ficam muito preocupados ao saber que uma empresa alega algo que não é verdade. Há empresas que fazem um nome e isso implica ficar a dever confiança aos consumidores, por isso naturalmente este caso é preocupante”, diz Rod Sims, presidente da Autoridade Australiana para a Concorrência.

O Nurofen tem como princípio ativo o ibuprofeno, um dos analgésicos mais populares. Neste caso, havia tipos diferentes de Nurofen: Para as costas, para a cabeça e para as dores menstruais. Mas a composição dos produtos era sempre a mesma: 342 miligramas de ibuprofeno. A única diferença estava mesmo na embalagem.