EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

China: Presidente Xi Jinping defende política de censura da internet

China: Presidente Xi Jinping defende política de censura da internet
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Lusa, Efe, Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente chinês defendeu a soberania de cada país na internet na abertura da Conferência Mundial sobre a rede, que reúne duas mil pessoas em

PUBLICIDADE

O presidente chinês defendeu a soberania de cada país na internet na abertura da Conferência Mundial sobre a rede, que reúne duas mil pessoas em Wuzhen, no leste da China, até sexta-feira.

Xi Jinping pediu um esforço comum no combate ao cibercrime e ao terrorismo, considera essencial um padrão comum de salvaguarda de segurança, mas defendeu a política chinesa de censura: “Devemos respeitar os direitos de cada um a escolher a via de desenvolvimento e os modelos de gestão da internet. Devemos opor-nos à hegemonia cibernética, não devemos interferir nos assuntos internos, não devemos participar ou apoiar atividades cibernéticas que ameaçam a segurança nacional dos outros”.

Com quase 700 milhões de utilizadores, a China registou um forte desenvolvimento de empresas tecnológicas, mas tem uma rigorosa política de controlo da internet. Pequim bloqueia ou censura páginas e conteúdos internacionais que o regime considera um perigo à “estabilidade social”.

Os críticos da política de censura pedem às empresas tecnológicas estrangeiras que não cedem às exigências de Pequim.

Em sinal de protesto, a organização Repórteres sem Fronteiras apelou ao boicote da cimeira em Wuzhen.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo presidente de Taiwan diz que objetivos de anexação da China "não vão simplesmente desaparecer"

Comprar peças originais sem ir à falência: bem-vindos à feira de arte acessível de Hong Kong

Putin enaltece comércio bilateral no último dia da sua visita à China