A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Rajoy diz que só forma governo com partidos que respeitem a "ordem constitucional"

Rajoy diz que só forma governo com partidos que respeitem a "ordem constitucional"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente do Governo espanhol defendeu hoje que vai tentar negociar a formação de um executivo “estável” mas só com os partidos que defendam “a ordem constitucional” e “a unidade” de Espanha.

Os resultados eleitorais obrigam qualquer um dos três partidos mais votados – PP, os socialistas do PSOE ou o Podemos (esquerda) a acordos de governo ou de legislatura não só entre si, mas também com pequenas forças políticas regionais ou nacionalistas.

O Podemos, de Pablo Iglesias, apresentou como principais propostas eleitorais uma reforma da constituição que permita um referendo pela independência na Catalunha, uma reformulação da lei eleitoral ou mesmo uma reestruturação da dívida pública espanhola.

“Não vamos facilitar a formação deste governo e vamos votar contra a investidura de Mariano Rajoy precisamente porque somos a alternativa ao Partido Popular” afirma a líder do PSOE

A fragmentação do parlamento ditado pelos resultados eleitorais pode constituir um elemento de paralísia do país.

Dois dos vitoriosos são os partidos emergentes, o Podemos, de Pablo Iglesias, à esquerda, com 69 deputados, e o Ciudadanos, de Alberto Rivera, com 40 deputados.

O outro partido histórico da democracia espanhola, o PSOE, de Pedro Sanchez, foi o segundo mais votado, com 90 deputados.

O enviado da euronews comenta: “ A incerteza é muita entre os eleitores espanhóis. Muitos querem um acordo que leve à eleição de um PM, mas estão conscientes das dificuldades. Agora as partes devem tentar encontrar um entendimento ou partir para eleições antecipadas”.