Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Eleições em Espanha: Podemos vence na Catalunha

Eleições em Espanha: Podemos vence na Catalunha
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na Catalunha, a coligação encabeçada pelo Podemos (En Comú Podem) venceu o sufrágio num golpe para as aspirações independentistas da região. O partido de Pablo Iglesias é contra a cisão de Espanha, mas defende a realização de um referendo vinculativo sobre a independência.

No total, os partidos que se opõem à secessão obtiveram 30 deputados contra 17 para os independentistas.

Para um deputado europeu da coligação vencedora na Catalunha, Ernest Urtasun, dos Verdes, a eleição representa o “fim do bipartidarismo e a emergência de um polo liderado pelo Podemos e por Pablo Iglesias, que vai mudar para sempre a política espanhola”.

Os independentistas da Esquerda Republicana (Esquerra Republicana) foram a segunda força mais votada na Catulunha, passando de 3 para 9 deputados, o melhor resultado na última década.

Com um governo de coligação em Madrid, a Catalunha espera, pelo menos, conseguir obter uma maior autonomia. Para um deputado europeu da Esquerda Republicana, Josep Maria Terricabras, no novo cenário político espanhol, o direito dos catalães a decidir o seu futuro num referendo, conta com uma “maioria absoluta face aos partidos que não querem mudar nada”.

O grande derrotado na região acabou por ser Artur Mas, que perdeu metade dos deputados. O Democracia e Liberdade (Democràcia i Llibertat) conseguiu 8 assentos no Parlamento em Madrid. Um dos candidatos do partido reconhece que a situação política é agora de uma “grande complexidade, muito fragmentada e obrigará a alterar a cultura política em Espanha, porque não havia uma cultura de pactos”.

“Abre-se agora um período de negociações e pactos para formar governo, uma forma de fazer política a que os partidos espanhóis não estão habituados após três décadas de bipartidarismo”, conclui a correspondente da euronews, Cristina Giner.