Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Egito: Cinco anos de desilusão após a "Primavera Árabe"

Egito: Cinco anos de desilusão após a "Primavera Árabe"
Tamanho do texto Aa Aa

Cinco anos após a revolta contra Hosni Mubarak o Egito está de novo sob o jugo de um regime autoritário, sem oposição e com a economia a meio gás.

Com exceção da Irmandade Muçulmana, nenhuma outra força política anunciou manifestações para esta segunda-feira para protestar contra o aniversário da insurreição.

A polícia reforçou a segurança no Cairo, especialmente no centro da cidade, praça Tahrir Square símbolo da revolução.

O atual presidente, Abdel-Fattah Al Sis, lembra : “O Egito hoje não é o Egito de ontem. Estamos a construir juntos um país moderno e desenvolvido, um Estado que defende os valores da democracia e da liberdade.”

Em 25 de janeiro de 2011, grandes manifestações começaram a exigir a saída de Hosni Mubarak, na sequência da Primavera Árabe que começou na Tunísia. Os egípcios exigiam pão, justiça e dignidade.

O entusiasmo deu lugar à desilusão : “Eu costumava trabalhar em Aswan antes da revolução e o turismo era grande naquela época. Depois da revolução tudo mudou e não há trabalho, por isso vim para Cairo”.

“A revolução de 25 de janeiro foi um sonho maravilhoso que perdemos infelizmente. Sonhamos que o Egito seria melhor.”

No início de 2012, as eleições parlamentares foram vencidas pela Irmandade Muçulmana e Mohamed Morsi tornou-se em junho o primeiro presidente eleito democraticamente no país.

O ex-comandante militar Abdel-Fattah Al Sisi, líder do golpe de Estado que depôs o Governo islâmico de Morsi em 2013, obteve um resultado esmagador na eleição presidencial seguinte. Hoje pelo menos 1.400 manifestantes islâmicos foram mortos na dispersão violenta de comícios, a imprensa e os artistas silenciados.