EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cuba: EUA aliviam sanções económicas sem pôr em causa o embargo

Cuba: EUA aliviam sanções económicas sem pôr em causa o embargo
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os Estados Unidos anunciaram novas medidas no processo de normalização das relações com Cuba, iniciado no ano passado. A partir de quarta-feira, as

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos anunciaram novas medidas no processo de normalização das relações com Cuba, iniciado no ano passado.

A partir de quarta-feira, as empresas norte-americanas vão ter mais facilidades em organizar viagens à ilha, para já apenas a título profissional, financiar exportações ou participar em projetos de obras públicas no país.

O gesto de Washington representa a terceira ronda de medidas destinadas a retomar as relações bilaterais, contornando o embargo comercial norte-americano ao país, que permanece em vigor.

Depois da retoma das relações diplomáticas, os acordos para facilitar as ligações aéreas entre os dois países ou para reativar o serviço de correio direto encontram-se ainda a meio gás.

Fontes próximas da Casa Branca sublinham, por seu lado, que estão à espera que Cuba tome algumas iniciativas, como o fim do controlo da Internet no país.

As medidas anunciadas esta terça-feira são antes de mais simbólicas, dentro da margem de manobra dos poderes executivos de Barack Obama, que enfrenta um Congresso avesso à reconciliação com a ilha comunista.

Obama afirmou há uns dias que espera poder viajar a Cuba ainda este ano, quando a maioria dos norte-americanos continuam impedidos de visitar a ilha como simples turistas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Está à procura de um artigo online de 2013? Pode ter desaparecido por culpa deste fenómeno

Galeria de fotos: Auroras boreais avistadas em Portugal e outros países

EUA anunciam pacote de armas no valor de 370 milhões de euros para a Ucrânia