O flagelo sírio

O flagelo sírio
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Em Perspectives, esta semana, debruçamo-nos sobre a visão das televisões europeias sobre o conflito sírio que dura há, já, cinco anos. As potências

PUBLICIDADE

Em Perspectives, esta semana, debruçamo-nos sobre a visão das televisões europeias sobre o conflito sírio que dura há, já, cinco anos.

As potências mundiais concordaram com um cessar das hostilidades na Síria, marcado para começar dentro de uma semana. O anúncio foi feito numa altura em que o exército sírio, apoiado pela força aérea russa, avança sobre Alepo. Dezenas de milhares de civis arriscam-se a ficar cercados em áreas da cidade controladas pelos rebeldes, como reportou a italiana RAI.

Temendo uma nova crise humanitária, as Nações Unidas estão a pedir à Turquia para abrir a fronteira com a Síria, onde dezenas de milhares de refugiados estão acampados. O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, avisou que pode parar de impedir que os migrantes tentem chegar às costas europeias, se não houver mais ajudas. Na fronteira entre os dois países, a reportagem da televisão espanhola TVE.

A NATO anunciou uma nova missão de patrulha no Mar Egeu para ajudar a Turquia e a Grécia reprimir as redes criminosas de tráfico de refugiados na Europa. Milhares de pessoas morreram afogadas ao tentarem, no ano passado, fazer a viagem. Entre elas, muitas crianças, como o pequeno Aylan. Na Turquia a France 3, acompanha o início do julgamento de dois dos traficantes.

A televisão suíça, RTS, debruça-se sobre a vida na Síria. O conflito que dura há já cinco anos não só matou gerações de sírios, como modificou as suas vidas. Por vezes, as imagens podem revelar a escala da devastação mas, não há imagens neutras.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Vice-diretor do Programa Alimentar Mundial sobre Gaza: "Fome generalizada ao virar da esquina"

Israel acusa Hamas de violar trégua e inicia segunda fase da guerra

Não é a fome que preocupa os habitantes de Gaza, é a sede, alerta responsável da ONU