Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Médicos Sem Fronteiras querem explicações sobre ataque a hospital na Síria

Médicos Sem Fronteiras querem explicações sobre ataque a hospital na Síria
Tamanho do texto Aa Aa

A ONG internacional Médicos Sem Fronteiras quer explicações por parte do governo sírio sobre o bombardeamento que destruiu completamente um hospital na província de Idlib, na Síria, no início desta semana e fez 25 mortos, entre médicos e pacientes. A organização pediu a abertura de um inquérito independente.

Este ataque só pode ter sido deliberado. Foi, provavelmente, levado a cabo pela coligação liderada pelo governo sírio, que está ativa na região.

Para a presidente dos Médicos Sem Fronteiras, Joanne Liu, não há dúvidas de que o ataque tem a assinatura de Bashar el-Assad e aliados: “Este ataque só pode ter sido deliberado. Foi, provavelmente, levado a cabo pela coligação liderada pelo governo sírio, que está ativa na região”.

Ao falar em coligação, os Médicos Sem Fronteiras incluem a Rússia como estando possivelmente na origem do bombardeamento. Uma porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo nega qualquer envolvimento de Moscovo no ataque.

Entretanto, a ajuda humanitária do Crescente Vermelho e do Programa Alimentar Mundial da ONU conseguiu, pela primeira vez, entrar em cinco zonas cercadas. A falta de comida e de medicamentos estava a fazer-se sentir, aqui, de forma atroz.

No caso de Mouadamiya, perto de Damasco, foi a primeira vez em quase dois anos que esta ajuda conseguiu chegar.