Médicos Sem Fronteiras querem explicações sobre ataque a hospital na Síria

Médicos Sem Fronteiras querem explicações sobre ataque a hospital na Síria
De  Ricardo Figueira com REUTERS, APTN, CCTV
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Para a presidente dos Médicos Sem Fronteiras, Joanne Liu,não há dúvidas de que o ataque tem a assinatura de Bashar el-Assad e aliados.

PUBLICIDADE

A ONG internacional Médicos Sem Fronteiras quer explicações por parte do governo sírio sobre o bombardeamento que destruiu completamente um hospital na província de Idlib, na Síria, no início desta semana e fez 25 mortos, entre médicos e pacientes. A organização pediu a abertura de um inquérito independente.

Para a presidente dos Médicos Sem Fronteiras, Joanne Liu, não há dúvidas de que o ataque tem a assinatura de Bashar el-Assad e aliados: “Este ataque só pode ter sido deliberado. Foi, provavelmente, levado a cabo pela coligação liderada pelo governo sírio, que está ativa na região”.

Ao falar em coligação, os Médicos Sem Fronteiras incluem a Rússia como estando possivelmente na origem do bombardeamento. Uma porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo nega qualquer envolvimento de Moscovo no ataque.

Healthcare in #Syria is in the crosshairs of bombs and missiles. It has collapsed. pic.twitter.com/rljYeZJnzl

— MSF International (@MSF) February 18, 2016

#Syria: In 2015, more than 154,000 war-wounded were treated by MSF-supported hospitals. https://t.co/B9eN6W8oPCpic.twitter.com/gBC8oYNzRo

— MSF International (@MSF) February 18, 2016

Entretanto, a ajuda humanitária do Crescente Vermelho e do Programa Alimentar Mundial da ONU conseguiu, pela primeira vez, entrar em cinco zonas cercadas. A falta de comida e de medicamentos estava a fazer-se sentir, aqui, de forma atroz.

No caso de Mouadamiya, perto de Damasco, foi a primeira vez em quase dois anos que esta ajuda conseguiu chegar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Embaixador iraniano na Síria promete retaliação após alegado ataque israelita destruir consulado

Ataque israelita destrói consulado iraniano em Damasco e mata alta patente militar

Pelo menos três mortos, entre os quais duas crianças, na explosão de carro armadilhado na Síria