Egito acredita em terrorismo na morte do italiano Giulio Regeni

Egito acredita em terrorismo na morte do italiano Giulio Regeni
De  Euronews com LUSA, REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Egito afirma que há “terroristas” por trás da morte do italiano Giulio Regeni, que têm como objetivo criar tensões diplomáticas entre os dois

PUBLICIDADE

O Egito afirma que há “terroristas” por trás da morte do italiano Giulio Regeni, que têm como objetivo criar tensões diplomáticas entre os dois países.

O investigador, de 28 anos, desapareceu no Cairo no dia 25 de janeiro e foi encontrado morto nove dias depois numa fossa, com sinais de tortura.

Organizações de defesa dos Direitos Humanos e a oposição egípcia afirmam que Giulio Regeni foi detido pela polícia ou pelos serviços de informação egípcios que o torturaram para obter informações. O Ministério egípcio dos Negócios Estrangeiros nega qualquer implicação da policía neste caso.

Os resultados parciais da autópsia revelam que Regeni sofreu choques elétricos no pénis, uma hemorragia cerebral e que tinha sete costelas partidas. Fontes envolvidas na investigação confirmaram que o estudante foi torturado. Mas o relatório final do exame forense ainda não foi divulgado.

Regeni's story gets worse. Interesting the #Egypt-ian official is confirming these details. https://t.co/0mqWz10RhWpic.twitter.com/n0oBmpJHOw

— HA Hellyer د. إتش (@hahellyer) March 2, 2016

Autopsy shows Italian was tortured for days, "strongest indication yet that Regeni was killed by Egyptian security." https://t.co/TtcYoUJ0Ey

— Alex Ortiz (@azortiz) March 1, 2016

Giulio Regeni's murder shows that today’s Egypt is even less safe, less free, and less tolerant, says @SarahEYerkes: https://t.co/ghFZOkB9Ib

— Brookings (@BrookingsInst) March 2, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Morreu o estilista Roberto Cavalli aos 83 anos

Greve em Itália após explosão mortal em central hidroelétrica

Processo de António Costa desce do Supremo para o DCIAP