EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Monarquias sunitas do Golfo declaram Hezbollah "organização terrorista"

Monarquias sunitas do Golfo declaram Hezbollah "organização terrorista"
Direitos de autor 
De  Dulce Dias com LUSA, AFP, Reuters, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A medida surge no contexto da guerra na Síria, com o Hezbollah e o Irão xiita a apoiarem o regime de Bashar Al-Assad, enquanto as monarquias sunitas apoiam a rebelião

PUBLICIDADE

O Hezbollah foi declarado “organização terrorista” pelas seis monarquias do Conselho de Cooperação do Golfo (CCG).

O movimento xiita libanês foi assim qualificado pelas monarquias sunitas que referem que “os crimes da milícia do Hezbollah (…) e os atos terroristas e de incitação na Síria, Iémen e Iraque (…) são uma ameaça para a segurança”.

A medida é, contudo, contestada pelo ex-primeiro-ministro libanês, o sunita Saad al-Hariri: “Deveríamos falar com aqueles com quem temos problemas, não acham? Deveríamos falar com o Hezbollah. Há quem pense que este diálogo não nos leva a lado nenhum mas garanto-vos que, mais cedo ou mais tarde, este diálogo terá resultados, porque o Hezbollah vai dar-se conta de que tomou posições que não beneficiam o país.”

#Lebano's #Hariri says to keep dialogue open with #Hezbollahhttps://t.co/t3yKoBE8WM#SaudiArabia#GCC#Shia#Yemenpic.twitter.com/BwIqpFenB0

— Ahram Online (@ahramonline) March 2, 2016

A medida surge no contexto da guerra na Síria, com o Hezbollah e o Irão xiita a apoiarem o regime de Bashar Al-Assad, enquanto as monarquias sunitas apoiam a rebelião.

Mas a decisão do Conselho de Cooperação do Golfo corre o risco de ser de difícil aplicação, como explica o analista político George Aalam:

“Estamos em terreno perigoso. A questão agora é saber se os países do Conselho de Cooperação do Golfo vão relacionar-se com o governo libanês, o qual colabora com o movimento agora declarado terrorista e que tem dois ministros no governo liderado pelo primeiro-ministro Tammam Salam.”

O secretário-geral Conselho garante que “serão tomadas medidas apropriadas para aplicar esta decisão, em conformidade com as regras da luta antiterrorista em vigor nos Estados do CCG e leis internacionais”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polícia francesa mata homem que tentava incendiar sinagoga em Rouen

Ataque terrorista de Moscovo: tribunal rejeita recurso de um dos suspeitos

Polícia trata esfaqueamento de Sydney como "ato terrorista"