EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Bangladesh: Supremo Tribunal confirma pena de morte para líder islamita

Bangladesh: Supremo Tribunal confirma pena de morte para líder islamita
Direitos de autor 
De  Marco Lemos com efe, reuters, afp, lusa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ao indeferir o recurso, o Supremo Tribunal deu luz verde à execução da pena de morte, o que deverá acontecer no prazo de dois meses.

PUBLICIDADE

No Bangladesh, o Supremo Tribunal confirmou a pena de morte para um magnata e líder islamita condenado, em 2014, por crimes de guerra.

Mir Quasem Ali, tesoureiro do partido Jamaat-e-Islami (JI), a principal força política islâmica do país, foi considerado culpado de torturar e massacrar guerrilheiros durante a guerra de independência do Bangladesh, em 1971, quando liderou uma milícia pró-paquistanesa, a Al-Badr, que estava contra a secessão.

Ao indeferir o recurso, o Supremo Tribunal deu luz verde à execução da pena de morte, o que deverá acontecer no prazo de dois meses.

O partido Jamaat-e-Islami convocou para esta quarta-feira manifestações de protesto contra a decisão do Supremo:

Jamaat-e-Islami calls for Hartal on Wednesday to protest SC's Mir Quasem verdict https://t.co/vsQEQHtTPq

— Nita Sharma (@Nita_Sachtimes) March 8, 2016

Desde dezembro de 2013, quatro líderes da oposição no Bangladesh, incluindo três responsáveis do partido islâmico foram executados.

Mir Quasem Ali ainda pode pedir um perdão presidencial para se salvar da forca, mas os últimos dois condenados que o solicitaram viram o perdão ser recusado.

A Ganajagaran Mancha, uma plataforma que faz campanha pelo julgamento dos crimes de guerra já saudou a confirmação da pena de morte:

Ganajagaran Mancha’s Imran says Quasem verdict fulfilled its expectations https://t.co/3SD7NfLbLXhttps://t.co/o0DOH9i0mn

— bdnews24.com (@bdnews24com) March 8, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 44 mortos e 22 feridos em incêndio no Bangladesh

Macron quer "abrir nova página" no Bangladesh

Tribunal russo condena soldado americano a quase quatro anos de prisão por roubo