Última hora

Última hora

Amnistia acusa FIFA de indiferença face aos abusos sobre os trabalhadores do Mundial do Qatar

Em leitura:

Amnistia acusa FIFA de indiferença face aos abusos sobre os trabalhadores do Mundial do Qatar

Amnistia acusa FIFA de indiferença face aos abusos sobre os trabalhadores do Mundial do Qatar
Tamanho do texto Aa Aa

A Amnistia Internacional (AI) alertou, hoje, para a exploração laboral dos imigrantes que trabalham nos preparativos do Mundial2022, no Qatar, criticando a “escandalosa indiferença” da FIFA.

Num relatório intitulado “O lado obscuro do desporto rei: Exploração laboral na sede do Mundial do Qatar 2022”, a AI critica a FIFA pela “indiferença face ao péssimo tratamento dos trabalhadores imigrantes naquele país.”

“A FIFA tem responsabilidade e pode fazer muito. A concessão do Campeonato do Mundo de Futebol é o seu negócio principal. Concedeu a organização do Campeonato a um país onde os trabalhadores imigrantes são sistematicamente abusados nos seus direitos. Os trabalhadores sob contratos do Mundial estão em risco, como tal, tem de agir,” alertou a Diretora de Investigação e Assuntos Globais da Amnistia Internacional, Audrey Gaughran.

A AI reuniu-se no Qatar com os trabalhadores, a maioria dos quais oriundos de países como Bangladesh, Índia e Nepal, entre fevereiro e maio do ano passado.

Todos os trabalhadores com quem a AI se reuniu no Qatar denunciaram viver em condições sub-humanas e sem direitos básicos. Precisam de autorizações para entrar ou sair do país, ou para mudar de empregador, os passaportes são confiscados e não lhes pagam o acordado.

Cerca de 5.100 operários trabalham atualmente na construção dos seis estádios. O Qatar espera que o número suba para 36.000 em 2018.