EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Oposição síria suspende negociações de paz em Genebra

Oposição síria suspende negociações de paz em Genebra
Direitos de autor 
De  Luis Guita
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A oposição Síria suspendeu a sua “participação formal” nas negociações de paz em Genebra, em protesto contra o agravamento da situação no terreno

PUBLICIDADE

A oposição Síria suspendeu a sua “participação formal” nas negociações de paz em Genebra, em protesto contra o agravamento da situação no terreno, mas continuará nas discussões informais, anunciou, esta segunda-feira, o mediador da ONU, Staffan de Mistura.

A oposição síria já tinha afirmado que era inaceitável continuar as negociações se o governo e os aliados não parassem de bombardear áreas civis

O chefe da representação do governo sírio nas conversações, Bashar Jaafari, reagiu: “O que a facção Riade ou do chamado grupo da Arábia Saudita anunciou, confirma o que já tínhamos declarado à opinião pública mundial, uma vontade árabe-turco-israelita de provocar o fracasso das negociações de Genebra entre sírios. A facção da Arábia Saudita não esperou mais de 2 dias para anunciar o desejo de ver descarrilar as negociações. Esta é a prova de que esses negociadores não têm a vontade política essencial para, de forma séria e responsável, tornar este diálogo um sucesso.”

“Várias questões se levantam com a decisão da oposição de suspender as negociações. Uma delas é se esta decisão representa o princípio do fim do processo de paz, aqui em Genebra. Uma paz que muitos sírios esperavam alcançar nos corredores das Nações Unidas, para acabar com o seu sofrimento,” concluiu a enviada especial da euronews, Faiza Garah.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: Combates no terreno ameaçam negociações de paz em Genebra

Eleições na Síria: Urnas abertas para legislativas boicotadas pela oposição

"Não existe plano 'B' para a Síria"