EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bombardeamentos em Alepo já mataram mais de 200 civis

Bombardeamentos em Alepo já mataram mais de 200 civis
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O balanço do ataque ao hospital foi aumentado para 50 vítimas mortais.

PUBLICIDADE

Enquanto o governo da Síria anuncia uma trégua parcial, em Alepo vive-se um verdadeiro inferno.

A ofensiva das tropas governamentais contra a segunda cidade do país, em particular as zonas ocupadas pelos rebeldes, subiu de tom nos últimos dias. Os ataques aéreos, incluindo a um hospital, mataram mais de 200 civis, só na última semana.

Os Médicos Sem Fronteiras aumentaram para 50 o número de vítimas mortais do bombardeamento do hospital. Esta sexta-feira, os bombardeamentos não deram descanso. Há pelo menos 16 vítimas a lamentar.

Attacks on hospitals must stop! UN</a> Security Council must reaffirm hospitals are <a href="https://twitter.com/hashtag/NotATarget?src=hash">#NotATarget</a> <a href="https://t.co/7yl81FMWXQ">pic.twitter.com/7yl81FMWXQ</a></p>&mdash; MSF International (MSF) April 29, 2016

#NotATarget: Join our action against the targeted killing of civilians and humanitarians https://t.co/MNB8RywWQxpic.twitter.com/P8dcXEx0D6

— MSF International (@MSF) April 29, 2016

Entretanto, através de um comunicado lido na televisão estatal síria, o exército anunciou uma trégua em Damasco e toda a zona à volta da capital, tal como na província costeira de Latakia.

Do cenário desastroso da Síria passamos à pacatez de Genebra, onde o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos da está muito preocupado: “O falhanço persistente do Conselho de Segurança em apontar a Síria ao Tribunal Penal Internacional é um exemplo da forma mais vergonhosa de realpolitik. Na cabeça de muitas pessoas, as superpotências são cúmplices deste sacrifício de centenas de milhares de vidas e da situação de milhões de deslocados”, diz o porta-voz Rupert Colville.

#Syria airstrikes: A monstrous disregard for civilian lives. We urge all sides to avoid returning to all-out war https://t.co/gpCqIQZtGr

— UN Human Rights (@UNHumanRights) April 29, 2016

Os aviões russos não deitam só bombas – Nalgumas zonas, nomeadamente as que estão cercadas pelo Daesh, estão também a largar ajuda humanitária. Perto da cidade de Deir Exxor, os russos largaram, quinta-feira, 26 caixotes de bens essenciais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: O arrastar dramático de um conflito trágico

Jan Eliasson: "Direitos humanos é uma questão de dar uma vida decente aos migrantes ou refugiados"

Alepo vive dia mais mortífero de semana de intensos bombardeamentos