Bombardeamentos em Alepo já mataram mais de 200 civis

Bombardeamentos em Alepo já mataram mais de 200 civis
De  Ricardo Figueira com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O balanço do ataque ao hospital foi aumentado para 50 vítimas mortais.

PUBLICIDADE

Enquanto o governo da Síria anuncia uma trégua parcial, em Alepo vive-se um verdadeiro inferno.

A ofensiva das tropas governamentais contra a segunda cidade do país, em particular as zonas ocupadas pelos rebeldes, subiu de tom nos últimos dias. Os ataques aéreos, incluindo a um hospital, mataram mais de 200 civis, só na última semana.

Os Médicos Sem Fronteiras aumentaram para 50 o número de vítimas mortais do bombardeamento do hospital. Esta sexta-feira, os bombardeamentos não deram descanso. Há pelo menos 16 vítimas a lamentar.

Attacks on hospitals must stop! UN</a> Security Council must reaffirm hospitals are <a href="https://twitter.com/hashtag/NotATarget?src=hash">#NotATarget</a> <a href="https://t.co/7yl81FMWXQ">pic.twitter.com/7yl81FMWXQ</a></p>&mdash; MSF International (MSF) April 29, 2016

#NotATarget: Join our action against the targeted killing of civilians and humanitarians https://t.co/MNB8RywWQxpic.twitter.com/P8dcXEx0D6

— MSF International (@MSF) April 29, 2016

Entretanto, através de um comunicado lido na televisão estatal síria, o exército anunciou uma trégua em Damasco e toda a zona à volta da capital, tal como na província costeira de Latakia.

Do cenário desastroso da Síria passamos à pacatez de Genebra, onde o Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos da está muito preocupado: “O falhanço persistente do Conselho de Segurança em apontar a Síria ao Tribunal Penal Internacional é um exemplo da forma mais vergonhosa de realpolitik. Na cabeça de muitas pessoas, as superpotências são cúmplices deste sacrifício de centenas de milhares de vidas e da situação de milhões de deslocados”, diz o porta-voz Rupert Colville.

#Syria airstrikes: A monstrous disregard for civilian lives. We urge all sides to avoid returning to all-out war https://t.co/gpCqIQZtGr

— UN Human Rights (@UNHumanRights) April 29, 2016

Os aviões russos não deitam só bombas – Nalgumas zonas, nomeadamente as que estão cercadas pelo Daesh, estão também a largar ajuda humanitária. Perto da cidade de Deir Exxor, os russos largaram, quinta-feira, 26 caixotes de bens essenciais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Síria: O arrastar dramático de um conflito trágico

Jan Eliasson: "Direitos humanos é uma questão de dar uma vida decente aos migrantes ou refugiados"

Alepo vive dia mais mortífero de semana de intensos bombardeamentos