A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

David Cameron alerta para riscos do "Brexit" durante "prova oral" no parlamento

David Cameron alerta para riscos do "Brexit" durante "prova oral" no parlamento
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro britânico defendeu a permanência do país na União Europeia (UE) frente a uma comissão do parlamento.

A menos de um mês e meio do referendo, David Cameron garantiu que Londres vai manter o seu “estatuto especial” numa UE “reformada” após o acordo selado entre Londres e Bruxelas em Fevereiro.

O chefe de governo conservador recordou os riscos para a economia e a segurança, caso o país abandone o bloco comunitário.

“Eu não vim aqui dizer que a UE é perfeita, é uma organização que necessita de reformas. Acredito que as mudanças propostas por mim criaram reformas úteis que representam o melhor para o país, quer seja para que sejamos mais fortes em termos económicos, para que tenhamos peso no mundo ou para mantermo-nos seguros face aos terroristas. Não tenho qualquer hesitação, como primeiro-ministro, ao dizer que vamos estar muito melhor se votarmos a favor da permanência na UE”.

O chefe de governo rejeitou também uma adesão da Turquia aos 28, “nas próximas décadas”, um argumento esgrimido pelo campo favorável ao chamado “Brexit”.

A “prova oral” do líder conservador coincide com o alerta lançado pela Comissão de Assuntos Europeus da Câmara dos Comuns. Um relatório publicado ontem evoca o risco de que o processo de uma saída da UE possa arrastar-se para lá dos dois anos previstos pela lei.

Em caso de “Brexit”, só a negociação de um acordo comercial com os 28 – destino de 44% das exportações britânicas – poderia durar até nove anos, segundo o relatório da comissão parlamentar.

O campo favorável à permanência do Reino Unido na UE continua a ter uma vantagem de 3% nas sondagens, quando 43% dos britânicos poderia votar a favor do “Brexit” no referendo de 23 de Junho.