Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Itália concede estatuto aos casais "gay"

Itália concede estatuto aos casais "gay"
Tamanho do texto Aa Aa

Pela primeira vez, a Itália reconhece um estatuto aos casais do mesmo sexo. O parlamento votou a favor da nova lei, depois de ter aprovado a moção de confiança ao governo de Matteo Renzi.

É um dia histórico para os direitos das famílias, tal como quando aprovaram o divórcio ou o aborto. É uma grande mudança para a Itália e um salto em frente nos direitos civis

O primeiro-ministro tinha feito desta lei um cavalo de batalha e tinha feito depender a continuação do governo da aprovação da medida.

As associações de defesa dos direitos dos homossexuais congratulam-se: “É um dia histórico para os direitos das famílias, tal como quando aprovaram o divórcio ou o aborto. É uma grande mudança para a Itália e um salto em frente nos direitos civis”, diz Aurelio Mancuso, da “Equality Italy”. Para o líder da “Arcigay”, Gabriele Piazzoni, “é um grande passo em frente. Um passo histórico. Há ainda muito caminho a percorrer até à completa igualdade, mas este é um bom ponto de partida”. Outros, como Maria Laura Annibali, da “Di’ Gay Project”, lamentam que a lei não vá mais longe: “É uma grande alegria, mas seria ainda maior se contemplasse a adoção das crianças dos nossos amigos, homens e mulheres da comunidade do arco-íris”.

A Itália era um dos últimos países da Europa em que a lei ainda não consagrava um estatuto aos casais homossexuais. Apesar de tudo, o que a nova lei consagra é a união civil e não o casamento, ou seja, um reconhecimento das uniões de facto, tanto para casais hetero como homossexuais e uma cerimónia civil destinada aos casais do mesmo sexo, no entanto diferente do casamento.

A mudança chega depois de meses de debate e manifestações por parte dos lóbis, tanto contra como a favor do casamento “gay”.

Num país profundamente católico, onde a Igreja continua a ter uma grande influência, a comunidade mais conservadora organizou um “dia da família”, em janeiro, com manifestações por todo o país. As manifestações sucederam-se, também, do lado dos defensores da mudança.

Outra concessão de Renzi aos conservadores é, para já, o afastamento da coadoção dos filhos biológicos de um dos elementos por parte dos casais homossexuais. Embora possível, a coadoção não é automaticamente aceite e tem de ser analisada caso a caso.