EUA e NATO ativam sistema antimíssil na Roménia contestado pela Rússia

EUA e NATO ativam sistema antimíssil na Roménia contestado pela Rússia
Direitos de autor 
De  Rodrigo Barbosa com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os Estados Unidos declararam como operacional o sistema antimíssil instalado na Roménia, que integra o escudo de defesa da NATO na Europa de Leste

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos declararam como operacional o sistema antimíssil instalado na Roménia, que integra o escudo de defesa da NATO na Europa de Leste, vivamente contestado pela Rússia.

O secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg, participou na cerimónia de ativação do sistema na base de Devesel, que Washington diz estar destinado a ameaças como o Irão e a Coreia do Norte.

O vice-secretário da Defesa dos Estados Unidos, Robert Work, afirmou que “nunca se tratou da Rússia”, mas de “mísseis vindos do Médio Oriente, em direção a aliados da NATO e forças norte-americanas na Europa. Os russos podem analizar as características técnicas”.

Mas Moscovo considera que a ativação do sistema em solo romeno constitui “uma ameaça à segurança” do território russo e que o escudo da NATO visa “as capacidades de dissuasão nuclear” da Rússia.

A porta-voz do ministério russo dos Negócios Estrangeiros, Maria Zakharova, afirmou que “a instalação deste tipo de plataformas em terra firme contradiz uma das disposições chave do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermédio. O que significa que os Estados Unidos violaram o tratado e isso precisa de ser dito abertamente e sem quaisquer expressões diplomáticas adicionais”.

O tratado a que Zakharova faz referência foi assinado entre os Estados Unidos e a então União Soviética, em 1987, e previa a eliminação de mísseis balísticos e de cruzeiro, lançados de plataformas terrestres, com um alcance de 500 a 5500 quilómetros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro contingente de tropas da Alemanha chega a Vilnius para reforçar flanco leste da NATO

Porta-voz do exército israelita: "Pode haver um cessar-fogo hoje ou daqui a um ano".

Ucrânia: guerra às portas da Europa abre caminho a projeto de defesa comum