Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Factos-chave acerca da Monsanto

Factos-chave acerca da Monsanto
Tamanho do texto Aa Aa

A Monsanto, gigante norte-americana dos pesticidas das sementes geneticamente modificadas, está de volta às manchetes. Milhares de pessoas desfilaram por cidades em todo o mundo, como Paris, Seattle ou Buenos Aires, a 21 de maio, na quarta “Marcha contra a Monsanto”.

Mas a multinacional de agricultura e biotecnologia também ocupa as primeiras páginas económicas, depois do grupo alemão Bayer ter oferecido 62 mil milhões de dólares (cerca de 55 mil milhões de euros) para adquirir a Monsanto.

Alguns dados importantes acerca da companhia:

A Monsanto é uma empresa gigante…

Tem 404 instalações em 66 países, 146 das quais nos Estados Unidos. A 31 de agosto de 2015, a Monsanto empregava 22.500 pessoas em todo o mundo, de forma permanente, e outras 3.000 em trabalhos temporários.

Os produtos da companhia estão em todo o lado. As sementes de soja Intacta RR2 PRO™ são cultivadas por cerca de 60700 quilómetros quadrados na América do Sul, uma superfície que a empresa espera duplicar, de acordo com o seu relatório anual de 2015.
Os concorrentes diretos da Monsanto são a Syngenta, avaliada em 32 mil milhões de euros, e a Dow Chemical, estimada em 46 mil milhões de euros.

…que pode continuar a crescer

Se os planos da Bayer para comprar a Monsanto forem concretizados – naquela que será potentialmente a maior aquisição de uma empresa alemã no estrangeiro -, será criado o maior fornecedor de explorações agrícolas do mundo, segundo a agência Reuters, eclipsando a união planeada entre as divisões de agricultura da Dow Chemical e da DuPont.

O novo conglomerado controlará 29% do mercado mundial de sementes e 24% do mercado dos pesticidas.

A Monsanto tem mais de 100 anos

Foi fundada em 1901 e, inicialmente, produzia sacarina. O fabrico de produtos químicos para a agricultura só começou em 1945. O controverso herbicida Roundup foi comercializado pela primeira vez no Estados Unidos em em 1976 e as primeiras sementes geneticamente modificadas em 1996.

O Roundup poderá ser ilegalizado na UE

O Roundup representa 40% do volume de negócios da Monsanto (1,3 mil milhões de euros em 2012). A Monsanto introduziu no mercado sementes “Roundup Ready”, capazes de tolerar o herbicida glifosato e permitindo, assim, aos agricultores eleminar ervas daninhas sem matar as suas culturas geneticamente modificadas.

A União Europeia adiou a decisão sobre uma eventual renovação da autorização do uso do glifosato, a sustância ativa do Roundup. Até ao ano 2000, o herbicida glifosato era produzido exclusivamente sob patente pela Monsanto. Em março de 2015, o glifosato foi considerado como “provavelmente cancerígeno para os humanos” pela Agência Internacional de Pesquisa sobre o Cancro (IARC – sigla em inglês). Mas outro estudo da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) e da Organização Mundial de Saúde (OMS), publicado recentemente, estima que é improvável que o glifosato seja cancerígeno através da comida.

Está atualmente envolvida em vários processos legais

Várias cidades nos Estados Unidos (Seattle, San José, Oakland, San Diego e Spokane) avançaram com processos legais contra a Monsanto. Todas exigem elevadas indemnizações para assegurar a limpeza dos sistemas de drenagem das cidades, responsabilizando a companhia pela contaminação com PCBs (bifenilos policlorados) tóxicos.

A Monsanto, por seu lado, está a processar o Estado da Califórnia, que anunciou a intenção de adicionar o glifosato, principal ingrediente do herbicida Roundup, à sua lista de produtos cancerígenos.

A Monsanto já pagou 390 milhões de dólares para resolver um processo de contaminação

Em 2003, A Monsanto e a Solutia Inc. chegaram a um acordo para resolver um processo lançado por 20.000 residentes de Anniston, no Alamaba, que acusavam a empresa pela contaminação com PBCs, banidos pelo Congresso dos Estados Unidos em 1979. A Monsanto pagou 390 milhões de dólares nos termos do acordo.

A Monsanto não está ligada aos casos de microcefalia na América Latina

Num relatório que se tornou “viral” no início do ano, a Rede Universitária de Ambiente e Saúde da Argentina responsabilizava um produto químico, o piriproxifeno (usado para matar larvas de mosquitos), pela multiplicação de casos de microcefalia na América Latina. Peritos de saúde nos Estados Unidos e no Brasil rejeitaram rapidamente as conclusões do relatório, afirmando que o vírus Zika era o mais provável culpado.